Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bienvenue Blog

O lugar secreto de escritos, artes, disparates, filosofias vãs, musicalidade de alma e merchan de segunda categoria.

Dirge of Cerberus | Resenha (???) | Parte 2

por Laura SaintCroix, em 12.04.15

Bonjour!

Terminei o jogo antes de ontem, e galera... Esse me deu aquele vazio no coração depois de acabar, do mesmo jeito que faz quando eu acabo Zelda ou um livro que li direto.

 

Mas na verdade não acabei assim, estou fazendo as missões especiais, e que aliás, são mais difíceis que o resto do jogo, hahaha.

Eu dou spoiler sim, então se não jogou (o que acho impossível, já que esse jogo é antigo e eu me sinto a última pessoa a jogá-lo), então não leia. Ou leia, se gosta de spoiler.

Isso vai estar diferente do que eu escrevi no facebook porque aqui vai ter mais detalhes. Ou não, também.

 

Uma coisa que vai estar igual é que, por um momento bizarro, achei que a Lucrecia era a mãe do Vincent, hahahaha, confundi um pouco (pouco!?) as cenas, e precisei da ajudinha dos universitários (FFWikia) para entender.

Entendi, ela deu à luz ao Sephiroth, coisa básica, hahaha.

Okay, não.

 

Voltemos ao jogo, sem ser as cutscenes alegres/tristes que acabaram com o meu kokoro.

Adorei o sistema de câmera, embora tenha demorado a acostumar, mas quando acostumei, realmente, dá para jogar atirando e andando de costas, isso é demais e muito útil.

Adorei trocar as armas e tudo mais, e achar coisas novas naquelas maletinhas no nível do Nero, usando os cartões na ordem certa. E a cerberus é muito, mas muito legal.

Falando em cerberus, achei fofo (?) o Vincent falando com ela, hahaha, os caras sabem direitinho como conquistar os jogadores. Malditos japoneses e suas franquias incríveis. Vide o Link miando no Wind Waker.

 

Quanto ao emulador, foi muito legal, só travou umas duas vezes, mas foi de boa, comigo salvando no jogo e nos slots por precaução.

 

Adorei a Yuffie, por pura identificação, e naquela hora que ela deu um tapa na Shelke (que eu também gostei dela, mais depois por ela ganhar sentimentos), eu tinha dito justamente pra Yuffie dar na cara dela, hahaha, e ela foi lá e *paf*.

Fiquei meio triste pela Shalua que ficou lá caída no meio do nada no final, mas acho que deve ter algum tipo de continuação, não sei... Mas fiquei triste. :/ Gostei da doutora.

 

Queria dar na cara da Lucrecia também, porque teve um momento que eu achei que ela tinha enganado ele e feito experiência, mas para o fim do jogo, vi que ela estava sofrendo um monte com a maior parte das coisas, e deu pena. Queria os dois juntos, por isso a cena final foi lá no fundo, hahahaha, hahaha, haha... ha... *chora*

 

Falando da Shelke ganhar sentimentos, acho que ela ganhou até demais, hahaha, naquela onda de "ter as memórias da doutora Crescent".

 

E agora vem um suuuuper spoiler, e se você não jogou, não será legal ler mesmo: o Chaos! As asas. Ele tem asas, cara, asas! Se eu falar mais, vai dar cagada, não para quem quer jogar o jogo, mas para mim mesma, hahahaha. No puedo. I can't. *enrola a língua*

 

Os monstros (?), achei eles meio fracos, embora não seja esse o termo, não fracos, mas muito do mesmo. Joguei no nível normal, mas achei que o esquema de derrotar eles foi muito parecido em todos os monstros, ainda que fosse de atirar neles, parecia que dava para fazer um esquema diferente com cada um. Ou eu estou acostumada a jogar os monstros de Zelda, que são muito criativos *puxa a sardinha pra minha brasa*, mas realmente achei eles num marasmo, só o Azul que deu medinho. Vou colar a parte que postei no facebook sobre a minha desventura com o Azul:

 

"Nota de noob do dia:
Fiz o Vincent derrotar o Arch Azul no braço porque até agora eu não tinha usado as magias da arma dele. Não tinha usado porque: 1) não tinha equipado no menu, apesar de já até ter trocado os canos das armas; e 2) achava que o L1 estava ali de enfeite, pois uma vez que a magia não estava equipada, o botão não fazia nada mesmo.

Por isso estava difícil de derrotar o Azul, e por isso havia tanta magia mako no campo de batalha.

Eu fiz o Vincent derrotar o Azul no braço...

Eu me sinto tão... noob. HUAUEUAEHUAHAUEHAUEHAUHEA

Eu contar isso aos meus filhos (japoneses) e eles vão rir de mim.

Tive que ir no training mode para ver que o problema era com a minha burrice com o menu.

Uma coisa é certa: Vincent é corajoso. HUAEUAUHEUAH Aquele cara era praticamente o Ganon!"

 

Então... *se esconde* BONUS: Eu estava quase chamando o Link para enfrentar o Azul.

 

Agora sobre o fim, uma segunda nota do meu facebook:

 

"Terminei o jogo. Não sei o que falar, só sentir. n

Por um momento bizarro, na ordem das falas/cenas, eu pensei que a Lucrecia era mãe do Vincent. HUAHUAUHEAUHE

Mas depois de terminar e pedir uma ajudinha dos universitários (vulgo FFWikia), entendi. Vi de quem era o filho, que eu já tinha sacado que era do doutor maluco, e vi QUEM ERA O FILHO DELA.
Achei a história linda.
Quase chorei.

Mas falando mais sério, a última vez que minhas pernas tremeram e eu fiquei em choque por causa de um personagem foi quando eu vi o Link morrer afogado em Ocarina do Tempo.

Que susto enorme que eu levei porque pensei que o Vince estava morto.
Eu (e minha mãe) já estávamos xingando até os produtores com falas fofas do tipo "Eu não joguei essa merda para ele morrer no final", mas daí ele apareceu na caverna, falou obrigado para moça, e saiu, e deu até um sorriso. Um sorriso, cara.

Esse jogo acabou com os meus feels.

Sorte que tenho mais uma porrada de missões para fazer no menu extra. :'D
E um nivel hard para apanhar um pouco (muito).

E para vocês que duvidavam da minha capacidade (??????): desbloqueei o filme com o Gackt no final. AEAEAEAEAE

E fui pesquisar qual personagem ele era, porque eu caí de cabeça num jogo de Final Fantasy tendo como base só o filme de Advent Children.

Dei uma lida em muitas coisas, todas interligadas, tô achando incrível e ao mesmo tempo chorando internamente porque a maioria dos joguinhos antigos, que narram o começo da história, são RPG, e eu não tenho saco para RPG. :T

Graças a Deus Dirge of Cerberus não é RPG.
O único RPG que eu joguei, se não me falha a memória, foi Tales of Fantasia, que eu achava lindinho, mas não passei muito também. :'D

Ai ai... Vou ali no canto acabar de sentir o final, já volto...

Brincadeira, vou lavar o banheiro."

 

E eu lavei o banheiro, sim, viu.

Se eu soubesse que os screenshots que eu tinha no meu pc eram do final do jogo, eu não teria ficado com o... é feio falar isso aqui... com o "coração" na mão, hahaha. Ainda bem que não sabia, aliás, se não seria spoiler.

 

Sim, eu tinha screenshots dele no pc, antes de saber de onde era (ou sabia? Eu vi Advent Children bem nova, hm...), assim como do Byakuya.

 

Chegamos ao fim, se é que você leu, hahaha, e vou deixar uma dica de presente de aniversário para mim (que é agora, em maio):

 

 

Qualquer um dessa linha, não precisa ser essa pose.

 

*chora mais*

 

E AQUELE ARTICULADO DO LINK AINDA ESTÁ VALENDO, VIU? Agora é só mais um para minha lista de dois. ;;

E um Zoro também... Mas ele pode vir depois.

 

Bom, é isso. Depois faço do O Hobbit, porque estou acabando de ler e achando o maior babado a diferença de livro/filme, e vão me bater quando eu disser que achei o filme mais emocionante em algumas cenas, especialmente as partes do Bard.

 

Bye, bye. ^^/