Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bienvenue Blog

O lugar secreto de escritos, artes, disparates, filosofias vãs, musicalidade de alma e merchan de segunda categoria.

O que aprendi sobre aquarela esses dias

por Laura SaintCroix, em 15.04.17

Primeiramente, que eu sou meio lerdinha.

Segundamente, que eu estou morrendo de saudades de escrever!

Pintei aquarela quando ganhei, depois em tela uns tempos, depois fui para caneta nanquim e desenvolvi arte para o meu furuto ebook, fiz um booktrailer no photoshop, depois voltei para aquarela... O que significa que há meses não escrevo!

Fiz umas páginas entre um arroubo e outro, mas nada muito significativo em quantia.

 

Aprendi que papel de aquarela tem lado para pintar. Francamente, primeiro pensei que era gramatura que estava errada, depois que era a cor (diferença entre branco e creme), e agora descobri a verdade: eu não havia percebido que andava pegando as folhas ao avesso. Fui pesquisar por ter achado estranho a razão ser a cor. Então a verdade veio.

Eu não sou tão ruim em aquarela, eu sou só meio lenta e azarada. (O lado certo sempre tem umas ranhuras/ruguinhas a mais! e o avesso é mais liso, mesmo nas folhas lisas)

Aprendi combinações de cores que ficam legais e não enjoativas também. Aprendi a usar o roxo. Hoje, meu último achievement foi fazer o cabelo do Rin sem estragar tudo. Vitória.

Aprendi também que eu não curto muito a folha branca.

As cores da pele do Rin ficam bem mais legais no papel creme. E, agora estranhamente, o papel creme meio que não escurece com a água. O branco, sim. E isso atrapalha um pouco, ter que esperar secar. Ah, é claro, é que esses papéis não são os tão próprios, gramatura 150. Mas o creme não enruga quase nada, o branco enruga mais, mesmo a gramatura sendo a mesma. Acho que o pólen é naturalmente mais duro, sei lá.

 

Eu não tenho como - nem por quê - pedir aos meus pais um papel mais proprício, o preço não é agradável e meu ramo principal é a pintura em tela. Mesmo que eu esteja amando aquarela, a probabilidade de haver venda para isso aqui é mais baixa que tela, eu acho. Não vou oferecer esse serviço, tampouco.

Faço aquarela por pura troça e vontade. Quero aprender o maior número de pinturas que me for possível, eu também pinto em tecido, quero aprender a pintar em vidro um dia, e porcelana. São pinturas bem mais delicadas.

 

Mas há esse papel creme, e nas oportunidades que eu vejo ele à venda, eu pego. O preço é 12 à 14 ou 16, depende do humor do Extra. Agora já aprendi que o creme é mais agradável para pintura, para a minha pintura.

 

Aprendi também que o papel absorve o óleo da sua mão, e que se for o caso, deixa até sua impressão digital. Sim, meus desenhos são meus, sem dúvida, tenho prova disso.

 

Aquarela é uma coisa bem mágica. Upei algumas no meu Dev. :B

Desenhinho sem censura porque, né, é o meu blog.

Esse é meu preferido.

aquarela_rin_esqueleto - Copia.png

Não sei o quanto vai durar esses arroubos, quero prosseguir, mas quero ideias. Ainda há o que eu queira realizar para mim (eu gosto de desenhar o Rin, na verdade isso é automático, mas estou com vontade de fazer o Sono).

 

As pequeninas aqui embaixo são feitas em papel branco.

 

C9apm2UW0AAxPJ9.jpg large.jpg

Acho que vou deixar o branco para grafites.

 

Beijinhos, té mais.


Resoluções de ano novo atrasadas

por Laura SaintCroix, em 15.01.17

Here we go again.

 

A passos de caramujo, a começar que caramujo não tem pés.

Senhor Ênio manda um salve do aquário.

 

Atualizei o template de ano novo para o blog. Não pretendo mudá-lo tão cedo.

Queria mudar o nome também, mas não pensei em nada decente.

Não que Bienvenue seja muito decente ou criativo. ...

 

A imagem que está atrás é de uma pintura digital que eu fiz. É o Rin, claro, haha.

Fiz com o mouse mesmo, e com a ferramenta de dedo do Photoshop. Eu adoro aquela ferramenta e os brushes que eu uso.

Vou deixar ao final as imagens.

 

O meu ano anterior foi muito bom. Ao contrário do que  as pessoas geralmente dizem sobre seus fins de ano, eu não tenho o que reclamar, Graças a Deus.

A minha única e maior decepção foi um fucking sorvete de açaí que tinha o sabor do inferno.

Só a cremosidade era gostosa, mas o sabor. Eu não consegui engolir.

Graças a isso, eu dificilmente chegarei perto de algo de açaí de novo.

De coisas boas que aconteceram, eu fui ao bairro da Liberdade com a minha prima-irmã.

Escrevi mais livros, mais do meu livro, fiz amizades ou coleguismos simpáticos online, lancei meu primeiro livro de contos (vide postagem anterior), meus amigos estão bem, na medida do possível, minhas duas melhores amigas estão bem (uma está com a família muito bem e feliz, outra está escrevendo cada vez melhor, e com o pensamento cada vez mais forte, ao que sinto). Também revi a patota da escola, que há muito não via. Eles estão bem, uma delas está virando um tapete persa.

 

Falando em tapetes, convenci miraculosamente minha mãe a me deixar fazer uma tatuagem. Nós discutimos um pouco, depois discutimos mais (dessa vez na frente dos meus tios, que haviam feito tatuagem recentemente). Eu fiquei chateada, porque ela já havia aceitado a ideia e começou a discutir de novo. Eu fiquei "Hm?!?!"

Mas depois tudo se ajeitou.

Eu nunca gostei muito de tatuagem, mas me ocorreu fazer uma pequena. O kanji de "kizuna" ou o nome do Sono. Eu acho bonitas essas palavras.

O nome dele, me parece, também pode ser lido como "jardim". Isso é bonitinho.

Gostei muito da música do Versailles, Melodic Thorn ~Bi no Bouryoku. Poderia ser isso também.

Eu também amo rosas e cruzes, então faria isso também.

Também cogitei fazer uma união de várias coisas que gosto escritas em japonês e fazer de lado, que nem a cola que a Mulan usa no braço para ir à casamenteira, HAHAHA.

 

Então, até juntar dinheiro, dá tempo de pensar.

Posso fazer um Cloud também, em pixel art de Final Fantasy Record Keeper.

Vocês não sabem o quanto eu passei a amar o Cloud depois de jogar FFVII. Ele é muito humano.

Claro que se o fizesse, daria um jeito de pôr o Link em pixel art também, eles são os heróis da minha vida.

Também há a frase do Angeal pro Zack, e do Zack pro Cloud. "Embrace your dreams." Só que eu faria em japonês.

"Yume" alguma coisa, hahahaha.

Eu amo muitas coisas.

 

Esse ano quero ir ao cinema ver alguns filmes, principalmente o de Transformers. Passei a adorar Transformers depois de ver a todos.

Esse ano também quero vender mais quadros, porque desejo veementemente uma mesa digitalizadora para pôr em prática duas das minhas histórias. Pretendo um mangá, quem sabe eu não consiga? É o que eu quero.

E acho que trabalhar por comission talvez seja um canal, já que é mais "fácil" vender arte lá fora.

Sinto-me capaz com o traço que tenho agora.

 

Minhas Marias estão lindas e gordas, e meu betta está me olhando com cara de bravo (que, no caso, é a cara dele mesmo). Meu Cloud está me olhando bravo também. O Mario de gesso parece meio estático.

 

Se Deus quiser, tudo dará certo. Vai ser um ano bom.

Já está sendo, na verdade. Eu pintei cinco quadros em dois dias. E desejo fazer mais e mais.

 

Ah, a foto!

 

vampire_king_and_blue_roses_by_laura_rachel-daukg5

Acho a marca d'água do DeviantART-san bastante etérea, e não prejudica a imagem. Gosto dela.

Só a coloco no Rin. Sou possessiva.


Não consigo achar um título bacana

por Laura SaintCroix, em 01.09.16

Boa noite. Sorry o desaparecimento, plus sorry não postar o que disse que faria.

Na verdade tive preguiça e estava ocupada pensando em ilustrações. Quero registrar logo esse livreto e lançar o quanto antes, de maneira independente. Alguma editora pode se interessar.

Eu escrevo razoavelmente bem, eu acho, não costumo errar as palavras, mas frequentemente troco as letras de lugar quando escrevo rápido. Escrevo palavras inteiras ao contrário! Como se o comando do cérebro se invertesse.

Mas eu acabo percebendo, pois sempre reviso. Perdi, definitivamente, as contas de quantas vezes revisei meu primeiro livro.

 

Esses contos eróticos ainda não foram revisados, mas será fácil revisá-los, a prosa é em primeira pessoa, bem melodramático do jeito que eu gosto.

 

Nesse momento estou com um girassol sobre a mesa, junto com meu Cloud e as katanas, e violetas, e uma rosa num copinho d'água.

 

Quero me inscrever num concurso de poesias, vou reler algumas antigas, talvez seja válido, quem sabe...

Gosto de poesia. Principalmente das que rimam, um de meus contos é sobre poesia, mas não é da série de eróticos, é douta que ainda sairá. Não sei quando, mas vai, haha.

 

É estranho como mudo de assunto, e me sinto meio bêbada de sono (e quase escrevi sono com "S" maiúsculo).

É estranho como as pessoas não ligam para nada até que você discorde delas ou atinja algum ponto em que machuque um pouco o ego. Não me retiro disso, porque isso acaba ferindo a mim também. Isso só é irritante, porque você sente que não tem muitos amigos até provocar algumas pessoas e elas virem xingar você, discordar e expôr opiniões, e você se sente existindo. Elas são livres para isso, certamente, e somos também.

Não estou me sentindo desse jeito, não. Seria mais correto dizer que "você sente que eles finalmente existem", pois se pronunciam. Não fazem o mesmo quando é algo bonito.

Deve ser de maneira semelhante que os rebeldes sentem, mas quem sou eu para me pôr no lugar de um? Eu peço desculpas o quanto antes se acabo ferindo alguém, e o faço com certa frequência, mesmo não querendo (ferir e pedir desculpas, ambos). Mas as desculpas não são importantes como se sentir ofendido. Desculpas não ameaçam sua segurança mental, seu ego, suas certezas, então você não dá muita atenção a elas. Só algumas, talvez. Mas o que mede isso? O ponto para se medir é invisível, o quanto você gosta de alguém, o que esse alguém te fez, quem é esse alguém? Se um estranho, então as desculpas podem provavelmente passar em branco, mas o alerta nunca para de soar pra qualquer ofensa recebida. Ego nunca para de soar e estar certo é sempre o melhor, aparentemente.

Sou do tipo que fica com as desculpas engasgadas na garganta até o dia seguinte se eu sentir que magoei alguém, principalmente um estranho ou um amigo infrequente. Qual a probabilidade de ver aquele alguém de novo? A primeira impressão será uma impressão de merda se não puder voltar.

Se esse desejo é pelo que o outro alguém vai pensar de mim, não sei, mas creio que seja pelo que ele vai "sentir" de mim. Não me importo em ser chamada de hipócrita. Só estou tentando.

 

Deixar o mundo com uma luzinha a mais desde quando eu vim para cá é um objetivo, e uma luzinha em cada pessoa, também.

Sou difícil de curvar algumas vezes, e muito, muito fácil em outras, e não sei dizer em quais situações, seja uma, seja outra. É divertido ser assim, não monótono. Quero sempre absorver o que seja bom, e jamais mudar totalmente a essência, só algumas pontinhas para melhor.

 

Esse texto pode fazer parte de um conto. *sapo psicótico intensifies*

Ou não.

O país está uma gororoba difícil de engolir, e o que mais dói é que não somos nós a sentir a mudança... Eu, sendo espírita, sei que o Brasil e Gaia estão em boas mãos, espiritualmente, mas aqui nesse plano, temos que orar muito para que o melhor seja filtrado de tudo isso, e que predomine ainda assim sobre a corja toda. A gente não sabe do amanhã, mas podemos pedir para que ele seja até utopicamente ameno, e que os menores não sofram, e que se houver sofrimento, que ele seja misericordioso. Que nem nossas avós diziam, e que minha mãe repete, "o pouco, com deus, é muito".

Outro dia mencionei que as pessoas precisavam mais de "espiritualidade" na hora das decisões (a pauta era política), e quase me vaiaram por causa da bancada evangélica, hahahaha. Sério, espiritualidade e religião estão tão, tão distantes...

No fim, toda doutrina que pregue uma ou outra divindade acaba tendo o mesmo cerne numa espiritualidade elevada e com nomes diferentes. Então não há porque não respeitar. (Isso me referindo aos espíritos bons, mas o mesmo vale para os "maus").

E ter espiritualidade é só ser humano.

 

Holly shit, estou amando fortemente esse desenho que fiz hoje.

IMG_4054.JPG

Pode não estar perfeito, mas who cares? Finalmente sombreei algo decentemente, hahahaha, e pintei o cabelo. Não esperem muita frequência nisso, pois eu não gosto tanto de pintar cabelos. Só de desenhá-los. Maria Antonieta cortou o cabelo do Rin ali, ele não gosta de cortar o cabelo. Ele é um amor.

 

Bonne nuit, não que eu vá dormir agora, mas...

E eu juro que farei um compilado do meu jogo de Final Fantasy Record Keeper aqui, I swear.

Sim, eu tiro print do que eu ganho, para ter de lembrança. Ainda tenho minha 1st sword (fusion) do Cloud.


Mais sketches!

por Laura SaintCroix, em 09.08.16

Ontem já não postei, perdoem-me, estava ocupadíssima no ps. Hoje trago desenhos! Mais rascunhos. Estava treinando posição/tamanho das pernas e corpo.

Adorei a roupa que fiz e o perfil do segundo. Gostei também do terceiro, que foi um dos meus melhores treinos no sentido de... treinar.

 

image1.JPG

image2.JPG

image3.JPG

Até!


Coletânea de sketches noturnicos

por Laura SaintCroix, em 05.08.16

Passei o dia descobrindo meu cerne para o desenho. É o que chamam de desenvolver o traço, quero fazer com facilidade, sem medo de errar e do que vão falar, só o que eu quero. Quero a minha alma nua nos meus desenhos... Talvez não pareça, mas é algo estranhamente difícil de se conseguir. Não é uma questão de "quero ser diferente de tudo o que existe", mas sim querer expressar da melhor forma o que há de ser expressado. Eu só demoro a engatilhar o que quero expressar, preciso treinar posições e a criatividade para elas... Eu não sou boa com cenários, poses. Eu não sei o que fazer com as mãos em fotos, quem dirá sobre desenhos!? hahaha

Para tanto upar meus skills em poses quanto o meu cerne, a forma com a qual quero me expressar, eu desenhei ontem e hoje. Ontem não, minto. Outro dia. Espero que esses desenhos estejam agradando, já que um de meus propósitos e trabalhar com isso também. Ilustradora em arte tradicional (só no grafite de lapiseira), hahaha. Saudades, verba.

A verdade é que não quero me focar além dos traços simples. Gosto de brincar que é falta de verba, mas não é isso. É que eu não tenho paciência para todas aquelas medidas de grafite! Outra arte tradicional que queria é a aquarela, mas acho que me faltaria tempo para aprender, então não arrisco comprar tintas.

Já não me bastam as tintas óleo, mas essas eu uso com certa frequência. Achei meu cerne na pintura também, pessoas e rosas. Pessoas e rosas. Eu amo rosas.

 

Na verdade eu só queria desenhar mesmo essas lindezas, hahaha, meu primeiro fanart decente (ou indecente) do Sephiroth.

Fiz um do Cloud outro dia, mas mommy e eu tivemos uma ligeira briga (daquelas frequentes que passam num piscar de olhos e no segundo seguinte estamos rindo de novo, porque somos duas teimosas, segundo minha prima que presenciou o desentendimento hahahaha), então eu não cheguei a postar. Está guardado, e eu ainda o amo. Quero fazer um Cloud decente (ou indecente!?) também, ele é meu herói, mais o Link e o Zack. Link é um herói em vários, ou vários em um, hahaha. E o Zack... Ah, o Zack. Ele é um herói com H maiúsculo.

 

Tendo encontrado meu cerne, batalharei para mais fanarts decentes (sem piada do indecente de novo), e aproveitarei para treino de anatomia, criatividade em poses e zaz.

 

Curtam lá no instagram, galera.