Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bienvenue Blog

O lugar secreto de escritos, artes, disparates, filosofias vãs, musicalidade de alma e merchan de segunda categoria.

Amálgama

por Laura SaintCroix, em 06.02.18

Bonjour!!

Aconteceram tantas coisas legais!

 

Fui à praia pela primeira vez depois de... vinte anos?! Ou quase isso. Foi a melhor sensação. O mar estava agitado, o tempo estava nublado, quase chovendo, ventando forte, as ondas estavam altas. A água salgada ardeu bem menos do que eu pensei que fosse arder, porque na verdade eu nem senti. Minha mãe me avisou que meu cabelo ia ficar uma droga, mas eu senti ele normal... Mar é muito gostoso. Minha próxima meta é conseguir estar num navio.

Aquela coisa é viva demais, é como nadar nas correntes sanguíneas de um ser gigantesco que pode te arrebatar. Mas na verdade parece que um pouco de nosso espírito fica nele, então somos arrebatados de toda forma.

O cheiro eu também pensei que fosse ser bem mais forte, mas isso talvez se deva ao tempo e ao vento mais forte. Todavia, nem mesmo cheiro de peixe me incomoda. Então eu acho que não me sentiria incomodada.

 

Só tenho a agradecer meus tios. Ela ficou tão preocupada de não estar sol, mas sabe que esse tempo nublado é meu preferido.

Mas admito que senti medo do céu, eu entro em choque e fico trêmula se o céu pretejar e começar a relampejar e eu estiver ao ar livre (pior ainda, no mar!).

 

Não engoli tanta água quanto pensei que fosse, mas as ondas me levaram e eu só consegui ouvir as gargalhadas da minha prima.

 

Isso já tem uns dias.

 

Agora, no presente, estou um pouco triste com a notícia de que o baterista do Matenrou Opera vai sair por não conseguir mais tocar direito. Está doente e espero que consiga se tratar. A banda agora fica sem guitarrista e sem baterista. Espero que chamem o JaY definitivamente, mas não faço ideia de quem possa tomar a bateria.

 

Vou fazer um desenho para um projeto depois, para ele.

Estou com vários para fazer, graças a Deus. Um para o KAMIJO (e acho que quase entrando num segundo para ele), um para o Yu, uma ilustração de artbook para uma amiga que eu AMEI poder participar e espero que dê tudo certo para imprimir, tenho meu livreto infantil para ilustrar, tenho Agharrin para ilustrar...

Tenho certeza que essas coisas vão me render algo no futuro, tenho fé nisso, é o que eu amo fazer e vou prosseguir enquanto for possível. Tenho pais maravilhosos que não se importam em me dar essas coisas para prosseguir enquanto eu não consigo andar com as minhas pernas.

 

Pintei aquele biscuit do Sono, ficou tão lindo que eu nem acredito que eu quem pintei.

 

collage.jpg

Quando eu colocar as roupas, vai ficar tão lindinho. Posto fotos.

 

Baixei alguns videos do KAMIJO, vou ilustrar a história dele, fazendo parte de um fanbook, eu estou tão feliz com isso e desejando muito que tudo dê certo e que nós consigamos ilustrar bem lindão. São nove ilustradores.

 

Muito a fazer, pelo menos para mim, mas agora o que eu pretendo urgentemente é: fazer a arte pro Yu e PASSAR UM PANO NO CHÃO PORQUE TÁ ARENOSO E EU VOU ACABAR CAINDO.


Happy b-day Sono

por Laura SaintCroix, em 18.12.17

Bonjour!

Nem parece que já faz um ano desde a outra postagem. É sério, a impressão é de que foi ontem.

Ele acabou de postar no Twitter agradecendo e dizendo "35" anos. Então eu não estava errada, haha.

Eu sempre vou achar que ele só está fazendo uns 25 anos, no máximo. É a imagem mental que eu tenho dele.

 

Eu estive atribulada e não parei pra desenhar um presente decente, mandei um gatinho pra ele. hahaha

E muitas felicitações. Deus, o que seria de mim sem essa voz?

 

Essa postagem não é para falar de mim, nem dar minhas desculpas. Tenho estado assustada, não é que seja essa palavra, mas tenho sentido estagnação com o que eu vou fazer. Gera ansiedade. Mas eu já prometi jogar essas coisas para o alto e confiar em mim mesma.

 

Esse rapaz que está aqui hoje, depois da minha mãezinha, é quem acaba me fazendo refletir "poxa, eu tenho que ter coragem, ou eu não vou ter aprendido nada". Ele me fez conhecer esse sentimento de me esforçar para coisas que eu gosto (e algumas que eu porventura não goste tanto). Um sentimento de ignição e esperança nas letras de músicas.

E das putaria poéticas™. Eu nunca pensei que eu pudesse escrever coisas relacionadas a isso. Eu não sou uma boba mesmo? hahaha

Sempre preciso de um impulso muito específico, é o que sinto. Não são impulsos lógicos, caso contrário não seriam impulsos, seriam?

 

Algum tempo atrás queria tatuar o nome dele, e essa ideia me consumiu algum tempo, então pensei que ele pudesse achar isso estranho. Japoneses estão acostumados com isso? Não sei dizer. E a vontade em mim amornou, e pensei que seria mais legal ainda algo que o representasse.

E outras duas pessoas.

Gosto muito de pessoas. Amo muitas pessoas. Muitas coisas. Histórias. Estou com mania repetitiva em parágrafos de adjetivos e descrições e não sei como parar. AAAAA

 

Well, sem tornar isso um diário, parabéns para você. É que não consigo expressar sem dizer o quanto alguém se imbuiu em mim. Se eu fosse fazer isso com todas as pessoas.

Algumas me acompanham mais que outras, em formas diferentes. Ele está sempre aqui na forma da voz e de um sentimento cálido.

 

Obrigada por estar aqui, por termos nascido numa mesma era. Por poder encontrá-lo, não seria possível essa convergência um século atrás ou à frente, certo?

Então eu sou muito grata por salvar meus dias de pequenas maneiras diferentes.

Keep on Burning Soul.

 

Imagino quantas declarações de amor eloquentes não receba? E o quanto não fica vermelho com elas, ou ri com elas? Deve ser muito divertido.

 

FOTO:

-2375868_316369000.jpg

Acho essa foto especialmente artística, eles deviam tirar mais fotos assim.

Não vou postar nenhuma careta hoje.

 

Ou será que não?

3nhQO4Etgj0.jpg

Sol nos olhos. (Pior que eu gosto desse print, é por isso que tenho salvo, depois de rir dele)

 

God bless you.


Screaming

por Laura SaintCroix, em 31.07.17

Bonjour.

Ah, um tempo sem escrever aqui, plus um tempo pintando e desenhando com bastante afinco.

Evoluí esses dias, pelo que pude perceber. E estou feliz por isso, artisticamente falando.

Consigo "me sentir alguém" quando evoluo.

Me forçar a desenhar é mais doloroso e necessário que me forçar a escrever.

Formar linhas e embasar desenhos é mais difícil que formar uma sequência de cenas, as cenas, os personagens, eles fazem o que querem dentro da história.

O desenho precisa de mais certeza, mesmo que uma certeza estética. Precisa de cores, ou brilho, ou tons, ou monotom, mas precisa de uma coisa materializada na mente para acontecer e ter um resultado satisfatório.

Uma cena sai mais naturalmente, porque mesmo que escrever o personagem andando, ele já está fazendo algo.

E eu, particularmente, não fico satisfeita se não estiver com extrema vontade de desenhar um cara andando, se essa imagem mental não estiver ali com todos os tons para a execução.

 

Na maneira como eu sinto, que pode mudar amanhã ou depois, desenhar é um processo mais difícil.

 

Eu raramente apago um parágrafo falando "Nossa, isso ficou uma porcaria completa". Já desenhos, joguei inúmeros. Ontem e hoje fiz um teste de desenhar numa A6 canson sem fazer um rascunho para pintura. Desenhei três coisas distintas e apaguei em sequência (acabando com o papel, coisa que eu sabia que poderia ocorrer), e na quarta vez comecei a pintar no amanhecer de hoje e: joguei fora.

 

Comprei materiais bonitões para aquarela, porque quero trabalhar com ilustração.

Acho que essa vontade é bastante forte, eu descobri que amo aquarela tanto quanto amo óleo sobre tela, de maneiras distintas.

 

Eu não sei o que essas coisas significam, o fato de eu escrever mais facilmente que desenhar, e não estou falando da execução de ambas as coisas, mas de ter ideias para elas. Eu sou melhor escrevendo ou pintando? A dificuldade em pintar significa que isso é mais importante para mim que a escrita? Ideias para escrever saem melhor porque são inspirações diferentes?

 

Ou eu só estou cansada de desenhar uma semana seguida e faz tempo que não escrevo?

 

Seja o que for, eu amo esses processos mentais complicados. E por ter amassado a folha, e por não ter concretizado o que quero, que é pintar, pois ainda estou com vontade e não tenho ideias e execução, e por também querer escrever, e por querer desenhar um mangá (um dia, esse é mais para frente, eu não sou tão ninja), é que estou inquieta.

 

Isso é sinal de que preciso jogar algum jogo.

E que eu não gosto de pintar em folhas sujas, hahaha.

 

Vou ver se jogo, ou se desenho, preciso treinar cenários.

Sair do que eu gosto de desenhar, caveiras, rosas, Agharrin, mãos.

Porque eu gosto de desenhar caveiras e mãos, mas agora essas ilustrações não cabem para a capa que eu desejo.

E adivinhem, desejo para mim mesma. Eu não sou tão complicada assim lidando com o que os outros querem.

 

Mas quando é para mim, o trabalho é mais trabalhoso. Eu sou uma cliente muito exigente.

 

Desenhar cenários, aproveitar que tenho um sketchbook.

 

Resultado da minha segunda aquarelinha. Sonoman.

 

operasonoman - Copia.png

Eu amo a maneira que as cores se espalham.

Se não for para ser borrado, eu nem amo aquarela.


As belas histórias dos libertos + divagações

por Laura SaintCroix, em 23.05.17

Eu percebi que, se algo não provocar em mim uma boa lembrança, eu não consigo usar ou usufruir por muito tempo.

Uma imagem ou música novas, por exemplo.

Ah, bonjour!

 

Então.

Imagens bonitas só pelo bonito em fotos de capa para o facebook. São coisas corriqueiras atualmente, a maioria das pessoas usa qualquer coisa que ache bonito. Eu não consigo fazer isso. Eu queria deixar algo estranho ou bonito, mas não acho, então até prefiro deixar sem nada do que deixar algo que não tenha um significado ou do qual eu não tenha lembrança.

Uma música nova.

Eu posso gostar de coisas que não fazem o meu tipo "por fora" se isso me despertar algo. Eu consigo ouvir músicas antigas do LAREINE de quando o KAMIJO estava aprendendo a cantar porque isso me causa uma sensação boa, tenho uma lembrança cheia de amor por essa voz que estava começando. Acho bonito. Consigo acompanhar de tanto que ouvi.

O mesmo aconteceu com Jeniva, do Sono. Eu ouvi repetidas vezes no fone de ouvido àquela criatura que estava começando (e mesmo assim, sem puxar saco, estava excelente, porque ele tem uma voz tremenda, puta que me pariu), então eu gosto de ouvir. Vamos lá, estou dizendo não no sentido de que isso seja um "favor", mas porque atualmente esses rapazes estão em bandas bem sucedidas e com carreiras formadas. São profissionais, eles mesmos iam dar um riso nostálgico ao ouvirem a si mesmos, hahaha. Eu acho uma gracinha. Às vezes desafinam. No caso do Sono, até "desafinando" fica bonito, hahaha.

Do KAMIJO eu gosto por um motivo muito, muito bobo (além do amor, claro): ele me lembra eu mesma quando estou cantando. Isso significa uma coisa não muito agradável, mas é como se eu ainda tivesse um pouquinho de esperança de um dia cantar e sair legal. Só não é meu rumo, mas eu gosto de cantar mesmo que saia horrível.

E do KAMIJO, sinto que ele está cada vez melhor. O single Castrato me surpreendeu de forma derradeira. Foi como se eu estivesse com saudade do poder que ele tem.

 

Gosto de ouvir aberturas de animes em gêneros que não gosto geralmente porque me lembram determinado anime.

Gosto de algumas músicas porque amigos especiais me indicaram.

Gosto de trilhas sonoras duvidosas porque me despertam lembranças, como a música do Impact, mecha do jogo Mystical Ninja: Starring Goemon.

 

E imagens, eu preciso de uma razão para gostar de ficar olhando. Tanto é que não uso muito coisas que eu faço para mim mesma. Amo fazer capas para os outros, mas as minhas são fotos sem resolução ou de blogs.

 

Só algo que estava reparando sobre mim.

 

Ah, e temos livro novo na Amazon!

 

cover_AS BELAS histórias dos libertos.jpg

Vocês não sabem o trabalho de caçar título para isso!

Mas saiu.

São contos sobre o que havia de comum em sete contos aparentemente aleatórios: a liberdade.

 

Sinopse:

Uma menina que se apaixonou e deseja que as pessoas possam ver as flores do planeta.

Outra menina que é a porta de liberdade na forma de palavras para alguém perdido.

Um solilóquio de alguém que não quer desperdiçar o que nos é dado de mais precioso dentre tudo o que há.

Gaia, Menina da Floresta, Somos protagonistas, Loucura e Lucidez e outros contos. Delicadas narrativas que se passam em cada canto dos corações humanos, ansiosos por se moverem de onde estão até lograr a expressão mais sincera do viver, a liberdade.

 

 

Espero que gostem. Se gostaram, leram, qualquer coisa do tipo, deixem uma resenha, duas palavrinhas do que acharam. Autor nacional sobrevive graças a resenhas, de milho em milho pra galinha encher o papo.

Muito obrigada.

 

LINK PARA O LIVRO: AQUI!!!!!

 

 


about PANTHEON -PART 1-

por Laura SaintCroix, em 12.04.17

Estou ouvindo o album novo do Matenrou Opera. Já ouvi uma vez no carro, a primeira, mas minha mommy () estava conversando comigo, e depois outras pessoas.

Estou ouvindo uma segunda vez e vou escrever o que acho de cada uma na íntegra.

 

Pantheon.

É a música mais nostálgica que já vi. Heróica, trágica, esperançosa, nostálgica. Tudo isso. Terminei a prévia de mãos trêmulas. E ela inteira é sublime, no patamar de Kassai. A emoção que o Sono passa na voz é espetacular (isso não é nenhuma novidade para quem é fã do Matenrou, quando ele quer fazer a gente chorar ele faz).

 

Curse of Blood.

É a faixa mais pesada do álbum, se me lembro bem. Ele grita pacas (não aqueles berros guturais, mas tom alto). Tem picos, e o "aaaahhhh ahhh curse of blood" fica na sua cabeça. E tem um coro atrás dos meninos mesmo, que parecem guerreiros, algo assim. lol

É fantasiosa. Bem Matenrou.

(três, porque ela é muito curtinha, tipo Dolce, maravilhosa e curta; e porque poderia ser mais marcante ainda, mesmo que o "eh oh curse of blood fique na cabeça)

 

Icarus.

O que dizer dessa, cara? Vão ouvir essa obra de arte e abandonem essa humilde resenha. Essa ganha só pela intro. Arranjos lindos+Sono=perfection.

(kanpai!)

 

Mammon Will Not Die.

A letra dessa deve ser bem significativa. Pelo nome. Ela é pesada nos arranjos, digo, tem bastante grave. No refrão adquire um arzinho de aventura, mas continua acelerada como no começo. Os caras sabem variar as músicas, dentro dela mesma. E pfvr, solo de teclado. Ela tem uma impressão de corrida, corrida, corrida.

 

Excalibur.

PURA AVENTURA. Próxima.

Brincadeira. É acelerada também, mas essa mantém o tom de aventura/ingresso numa jornada a música inteira. Aquele ar de "você não pode perder daquele seu inimigo" ou "faça como você aprendeu". E claro, Sono+tons altos=amor. Daí tem uns sons eletrônicos que fazem você duvidar de você estar ouvindo power metal sinfônico pelo tom de aventura, lol. Não é bem, faltou os coros para ser do "gênero", mas sei lá, não precisa, hahahaha. O ritmo do refrão pode ficar na cabeça. E eu desafio vocês a conseguirem cantar essa no tom do Sono. Guitarra aqui é bem legal, aliás, mas eu acabo me impressionando mais com o teclado.

 

Rokujin ni shinro wo tore.

A mais alegrinha. Acelerada também, mas faz você ficar com vontade de pular, não de correr. :')

O "oh oh" vai ficar na sua cabeça, ficou na minha só nas prévias. Novamente, arranjos diferentões, guitarra "ininterrupta". Podem ver que não sou boa resenhando, desculpem.

(quatro porque o oh oh vai ficar na cabeça, mas o resto é difícil de aprender e você via ficar só no oh oh o dia inteiro)

 

Symposion.

Faixa instrumental pro Sono ter descanso no meio dos shows, hahahaha. Lindíssima, super diferente e boa. Uma mistura de teclado, sons eletrônicos, algo que parece flauta, e a guitarra/baixo/bateria combinam com isso. Digo combinam porque já vi arranjos que meio que parece que não encaixa uma coisa noutra, mas não é esse o caso.

 

Nan-dome ka no prologue.

Ele faz tanto charme pra cantar o início dessa música que vai levar cinco sapinhos psicóticos só por isso.

A música? Ela é uma das mais marcantes do álbum, exatamente por não ser pesada como as outras. O refrão pega, vou estar cantarolando isso assim que aprender, porque o ritmo é solto, leve, ao tempo que quando para, é uma música nostálgica. Eu não sei como esses caras fazem isso. Ah, solinho de teclado=amor.

 

Shine On.

É puro amor, eu amo demais, já amei quando ela saiu naquele single. Música natalina cheia de esperança e brilho, uma pequena luz para quem ouve, como se nos tornássemos capazes de algo bom um pouquinho por vez (?).

 

Tomarun janee.

O nome fala por si, aceleradíssima, com adrenalina a mil. E tons altos e uma fala imperativa como em Kumo no Ito. Ela me lembrou a impressão daquela, não o ritmo/letra. É bem diferente. Na verdade não tem músicas iguais nesse álbum. Em nenhum outro.

(eu não estou sendo boazinha, tá linda, diferente, mas também poderia ser mais marcante de algum modo, é que nem aquela "RUSH". Você vai acabar adorando ela depois)

 

Nota final:

Obviamente . Mas vou apontar os """""defeitos""""", pra falar que eu não sou puxa-saco. Esperava uma mais lenta, como em Eien no Blue, Designer Baby. Esse álbum está como Justice, as músicas são bem diferentes umas das outras, mas não são todas que vão pegar todo mundo de primeira. Nem todas são uma Helios da vida. As que fizeram isso, para mim, foram Pantheon e a Nan-dome ka prologue. Mais Pantheon. Assim como Phoenix. As faixas título/que têm PV são sempre sublimes. Ouvi duas vezes o álbum, então isso são intrinsecamente primeiras impressões. Eu não sou boa com resenhas, vocês já sabem, eu descrevo por sentimentos, sou pouco técnica. Pior ainda fazendo as coisas no "ato" da coisa, com a música tocando. Mas fiz isso por questão de não perder as impressões, espero não ter acabado por perdê-las justamente por não conseguir descrevê-las.

Estou com a cabeça cansada, e a que mais ouvi foi a prévia de Pantheon, então ela é o que me fica em mente. Porém, ao ouvir as outras, você sai cantarolando se ela for a última, elas são muito peculiares, gosto do Matenrou por isso. A maioria é questão de decorar/habituar com o ritmo, e habituar não quer dizer começar a gostar de algo que não era bom, creio que às vezes você só não está pronto para aquela música ainda, e um álbum inteiro é uma carga de informações alta para o cérebro assimilar as melodias numa única ouvida. Eu demorei um ano inteiro a gostar e ouvir AVALON decentemente, e cara, é um dos álbuns mais lindos deles. Eu não estava pronta para a beleza daquilo. Esse álbum pode estar como ele, mais ainda até que como Justice, porque nesse aqui ele esculacha (no bom sentido) no high tone vibratto, como ele havia dito, hahaha.

Claramente, Sono e cia só fazem música para eles mesmos performarem, porque pra alcançar aquelas notas, meu chegado, o cara tem que ter fibra, sem baixar a nota para se adequar a própria voz.

 

Agora minhas desculpinhas: eu não estudo/estudei música, não sei termos técnicos, pode haver coisa errada, então peço que não me cobrem algo profissional, porque sou amadora. E amador quer dizer que ama, independente do profissionalismo da resenha. Eu amo Matenrou Opera.

 

Agora, Matenrou... Sono, façam uma só de pianinho/arranjo com a voz. Isso é a coisa mais linda que há.

 

Espero que tenham curtido.