Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bienvenue Blog

Maresia de inspirações, disparates, aventuras, desabafos, misturas. Aquarelo por aí também. Mantendo a alma livre o mais que posso.

Bonjour!!!

Eu ia falar sobre outras coisas no post de hoje, mas preferi prosseguir nas resenhas. :>

Reiterando: eu não estou falando dos autores diretamente, só das crias deles, hahaha. Resenhas imparciais, expondo meu ponto de vista (que pode estar certo, errado, ser uma batata), e sem ligação com editora, regras, parcerias ou o que for. É por diversão e eu adoro falar.

Contem SPOILERS de alguns contos.

Capa:

capa_tratadooculto.jpg

17- Ganância - Michael Santos

Esse conto eu achei de um tema bem interessante, a ideia é diferente. Uma câmera fotográfica que fotografa coisas misteriosas. Mas como o nome do conto diz, ela é utilizada de forma meio errada, além de ser usada por uma pessoa bastante azarada.

A forma da escrita não é muito meu tipo, apesar de ser conto, achei exasperado. Mas isso é mais como minha opinião que algo errado. Acho que teria dado um clima de mistério maior se a pessoa tivesse enrolado um pouco mais, enrolado num bom sentido.

Nota: 3

 

18- Convidado Especial para o jantar - Tom Botticelli

Ohhh, esse aqui "enrolou" o suficiente e eu gostei, mas não gosto dessa temática. Me julguem. Bem executado, só achei o final meio pobre, mas não sei que final eu mesma daria a isso. E me incomodou os textos em caixa alta aaaaaaaaaaaaaaa

Continua sendo uma boa para quem gosta de demônios que não sejam o Sebastian.

Nota: 3

 

19- Boris - L. F. Perugia

Esse aqui eu quase adivinhei que seria algum bicho, isso é nome de gato. Outro da linha dos inusitados dentro da maioria que resolveu escrever sobre demônios. Esse está entre os diálogos mais naturais do livro todo, coisas curtas, pensamentos rápidos de acordo com o personagem, sem tentar enrolar com nada. O final foi bom também, embora o que eu tenha gostado foi o ritmo de leitura ao todo. O escritor, ou a escritora, está de parabéns.

Nota: 4

 

20- Apenas amor - P. G. Karras

A escrita desse aqui é natural de uma maneira diferente do anterior, mas natural também, e foi o que eu mais adorei. A estética aqui é muito bonita, jeito de descrever, acontecimentos. Da linha dos contos com demônios, esse até agora foi o que mais gostei. O final é quase confuso, mas isso por incrível que pareça veio a calhar, hahaha.

Esse vale muito para quem gosta de contos do tipo, não vou falar muito mais que isso.

Nota: 5

 

21- A Deusa do silêncio eterno - Hebe Santos

Bem escrito e podre, eu definitivamente não gosto de coisas que terminam ou se narram sem mais nem menos de forma a quase ser um deleite. Um assassinato e pronto, só mais um trauma e nada a se retirar disso, nenhuma poesia, nenhum medo, nenhuma lição, nenhum prazer ao ter lido. Eu gostei da forma de escrita e não gostei do que li. Me pergunto se alguma vez eu escrevi algo do tipo só por escrever um ato de horror. "Mas Laura, é um livro de horror" eu não tô nem aí, seu pastel. **Yzma feelings**

Contos, livros, têm que me entreter de forma gostosa e pronto. Isso aqui pareceu muito real e eu tenho pavor de realidades.

É um ótimo conto se você gosta disso, muito bem escrito mesmo.

Nota: 0

 

22- Ela - Edu de Marque

 Achei o protagonista desse conto estranho desde o início e meu faro funcionou muito bem. Não achei incrível e não achei ruim, o mesmo da escrita. Um ponto positivo pela temática que me agrada.

Nota: 3

 

23- O Monstro de Pratigi - Marcio Neri

O tom de reportagem durante toda a narrativa é fantástico e foi o que mais me agradou. Eu fiquei indecisa se a pessoa quis fazer uma homenagem aos monstros do Lovecraft ou para aqueles filmes trash antigos sobre gosmas, hahaha. Mas ficou bom de todo jeito. Pode não ser nenhum desses, já que foi só o que me ocorreu. Dentro disso, achei original, nenhum dos escritores pensou nisso até aqui. A nota abaixo iria ser 3, mas a criatura me lembrou o Smiley do Ceaser Clown e eu adoro o Ceaser, hahaha. Sou imparcial sim, mas não aos meus gostos.

Nota: 4

 

24- Minha doce menina - Poliana Castro

Esse conto é outro da série de "rituais com pessoas de capas pretas" hahahaha. Eu poderia estar rindo se não tivesse desgosto. Vou explicar e dar spoiler porque só assim vocês me ajudam a entender se eu entendi certo ou foi má impressão. Vou contar o principal do conto, que era pra ser surpresa, então...

A moça está indo até o local e sente-se atraída para onde estão fazendo o ritual. Okay.

Tem uma moça bonita no chão, nua e toda desejável. Desesperada e tentando sair dali.

Começa a acontecer um estupro e a narradora descreve com muita paixão o abdômem do cara que está fazendo isso. Ohhh.

A narradora está sentindo-se ser penetrada como se fosse a garota deitada (ou como se fosse o cara abusando dela, ou ambos), mesmo que a garota deitada esteja pedindo por ajuda, gritando e tudo o mais. A moça do conto se acha um monstro por estar gostando disso, ohhhh.

Ela usa um eufemismo para o orgasmo e daí a moça é assassinada pelo cara.

E a revelação vem: a moça era a narradora.

Agora vamos ao sentido: se era a alma dela ali fora, como que o corpo ainda vivia? Vivia até o suficiente para sentir desespero?

Que lapso temporal não explicado aconteceu aqui?

E por que ela se sentiria excitada com o próprio estupro? Aliás, mesmo que não fosse o dela, só por quê?

O mistério aqui é bem mal feito porque não tem sentido ela estar vendo a si mesma no momento exato da ação ainda estando viva. O conto não mostra que isso era lembrança.

E mesmo que fosse lembrança, mesmo que fosse narrar um estupro, achei muita falta de tato para isso, uma construção pobre de personagem que só nos enoja de maneira negativa. A nota é 0 porque não tenho nota menor.

E sobre a forma de escrita, não achei ruim, mas também não foi incrível. Vi uns dois errinhos de digitação/sentido, mas acho que isso seja mais coisa do revisor.

Nota: 0

 

25- Sangue e Prata - Yasmin Alves

Bora resenhar um conto que eu mesma revisei?

Coincidentemente, os dois contos de lobisomem no livro se passam em Londres e os dois citam a Scotland Yard. Eu achei isso de uma coincidência terrível e dei risada. Não é ruim e nem bom, só engraçado, pareceu que lobisomens e Londres têm a ver. Talvez tenham em alguma mitologia que eu não conheço.

O conto inicia rápido, é bem do feitio da minha amiga, hahaha. Os diálogos são interessantes, deixam que o leitor pesque as coisas por si (é o primeiro que vejo assim em todos os contos, interessante), o protagonista não é uma pessoa tão importante dentro da polícia e a autora deixou isso claro em pouco tempo.

Não vou dizer o ápice e tal porque vai estragar a surpresa, mas não vou dar nota máxima porque o finalzinho poderia ter sido um pouco mais emocionante e melhor aproveitado.

Não é um conto que dê medo, mas é gostoso de acompanhar o pega-pega.

Nota: 4,5

 

 

Por hoje é só, pessoal. Ainda estou bem mais a frente que isso na leitura, mas não tenho tempo de dizer tudo agora.

 

Caprichei o máximo possível e o mais educadamente também, não quero soar ofensiva quando o intuito das resenhas, apesar de não parecer, é ajudar. Sei que isso dói quando é com os filhos da gente (os contos, hahaha).

Espero que estejam gostando.

Qualquer dúvida ou reclamação ou "Laura tira meu conto daí" é só falar comigo, mesmo. Comentários estão aqui e eu sempre vejo quem comenta algo, já que o blog é bastante solitário.

Inté.

 

PARTE 1 | PARTE 2 | PARTE 4