Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bienvenue Blog

Maresia de inspirações, disparates, aventuras, desabafos, misturas. Aquarelo por aí também. Mantendo a alma livre o mais que posso.

A drink of ruin. A drink of re-life.

por Laura SaintCroix, em 21.12.17

Talvez isso um dia renda um conto, o título.

 

Nosso livro entrou noutro hiato, então vou poder focar numa outra coisa.

 

Ontem discuti com uma amiga e... hoje sinto que tudo aquilo foi tão desnecessário. Eu só devia ter calado a boca.

Ela escreveu tantas e tantas coisas e eu me vi reafirmando uma coisa que era só uma gota e se tornou uma tempestade sem precisão ou muito ponto. Isso porque o que eu estava falando era quase particular e com minha outra amiga mais próxima.

 

E eu me vi em algo desnecessário, e me senti uma pessoa chata, do tipo insistente. É aí que eu devia ter parado.

 

Oh, que melindre. Pois é. Mas não gosto de me sentir assim, esse "peso".

 

Então é um dos momentinhos em que, se eu pudesse voltar no tempo e apagar algumas memórias, eu só teria falado em particular com minha outra amiga, coisa que nós duas entenderíamos, e não precisaria de discussão com uma terceira parte em cima de algo tão ridículo e fora de ponto.

 

Se eu lhes dissesse, vocês ririam.

 

Hoje eu pedi perdão a essa terceira parte, não sei onde isso vai dar.

 

Gosto de alguns aspectos, mitologias, sombra e luz. Épocas, modas. Pinturas. Particulares demais, como quando ouço minhas bandas sentadinha num canto. Quase afirmando só para mim, não é porque eu gosto de algo x que eu vou gostar de y só porque está sob o mesmo "gênero" de algo. Principalmente bandas.

Às vezes eu sou muito particular comigo mesma.

 

Só minha mãe e meu pai me conhecem, eu acho. E talvez duas outras amigas e uma prima. Mas no fim, a história das faces é verdadeira, e tem uma delas que só nós mesmos vemos. E Deus, vendo melhor que todas as outras. Sinto que preciso confiar mais Nele para esses assuntos, quando não ajeito tudo na minha própria cabeça. Está tudo bem mostrar e ver apenas uma dessas facetas. Talvez não aguentássemos a totalidade de ninguém.

 

De uma coisa é certa, em se tratando de redes sociais, principalmente: vou tentar usar para meus negócios, ilustração e escrita. E vou tentar não me meter tanto em coisas como essa, discussões. Não deixar de responder, acho isso desrespeitoso ainda, por mais que estejamos de saco cheio às vezes. Mas ser mais direta e tesourar um pouco para coisas como essa não se destenderem.

E usar a nova função soneca do facebook, espero que ela perdure. Eu gosto de algumas pessoas por termos muitos anos de "conhecimento" uma da outra, várias pessoas, mas os gostos delas mudaram tanto que nós acabamos deixando-as na rede por carinho a esses anos de "conhecimento". Mesmo que não gostemos de 90% do que elas gostam. E também porque eu sei que algumas pessoas podem gostar das coisas que faço (sendo otimista, hahaha).

 

Eu nunca fui mesmo de dar opiniões acerca de coisa alguma que não me interesse diretamente, não opino em assuntos sociais, só me perguntarem mesmo ou se eu estiver falando com alguém que eu já conheço. Em compensação, gosto de ler sobre algumas coisas e absorver conhecimento acerca de alguns assuntos do tipo.

 

A razão que eu não gosto tanto de falar sobre ou postar sobre é que esses assuntos enchem o saco se repetidos tantas vezes. Pelo menos para mim. (Oh, isso é uma opinião, mas estou no meu blog, afinal.) Feminismo, racismo, política. Não concordo com algumas coisas que dizem, bem como discordo de algumas coisas que elas discoram - e portanto devo concordar com outra parte. Nem me perguntem o quê, eu não lembro. Só se o assunto vier em algum momento e você queira saber.

Apesar de eu compartilhar quando vejo alguns textos ou vídeos do tipo, é quando são muito bons mesmo.

 

Sabe o que vocês vão encontrar se me adicionarem? Um monte de videozinho de arte e de comida.

E beija-flores.

 

Não é problema quem faça isso, principalmente se for ativista de alguma coisa. Quem o segue é porque quer ver isso.

 

Quem me seguir vai levar balaço de arte nas fuças.

 

É por isso que já estou começando a me fazer ficar melhor nessas coisas. No Twitter eu sou mais os meus japas, haha. Achei uma account que compartilha fotos do Acchan e eu provavelmente Retweeto uma todo dia.

 

É sobre isso alguns amigos que se tornaram "ativistas" ou pelo menos compartilhadores intensos de determinadas causas. A impressão é que a pessoa não troca o disco e eu me entedio muito facilmente.

 

Ano que vem é bem mais arte e menos veneno e intriga. Não por querer me cegar de tudo isso, do globinho das causas sociais que são necessárias, mas por já ter visto muito e estar um pouco cansada da quantia dessas mesmas coisas aparecendo muito, dessa martelação. De piadas imbecis também, mesmo eu tendo feito algumas esse ano mesmo.

 

Diminuir a intensidade do que eu não sou tão fã.

Aumentar o que eu amo cada vez mais.

 

Sobre escrever livros com essas temáticas inclusas, ou ter uma vida ativa como escritora nesse aspecto, eu estarei na pior, não sei fazer essas coisas. Eu sou mais a escritora que está nas cavernas.

Não vejo problema nisso, tampouco.

As melhores coisas geralmente não têm platéia e eu não tenho perfil do que eles chamam hoje de "influenciadora digital". Não tenho gênes da revolta, de chargista, talvez porque a água nunca bateu na bunda aqui. O correto talvez fosse "não estou com o gênes da revolta aqui", um estado mutável.

 

Se no ano de 2019 eu jogar essas palavras para o alto, será melhor na época certa. Agora eu só estou colocando a cabeça nos trilhos por mim mesma. Nós não precisamos fazer tudo, contanto que não fiquemos estagnados.

 

Já falei demais, já escrevi para mim mesma coisas que ninguém vai ler. Só por colocar no "papel" porque aqui é bem mais rápido de digitar do que escrever em folhas. Eu costumava ter um diário, ele só se transportou para algo online.

 

Vou continuar ouvindo as que eu gosto do Buck-Tick, que foi uma das melhores coisas que me aconteceram esse ano. No momento certo.

 

Descobrir mais coisas para amar é sempre uma meta. Não contraponha quem odeia, mostre seu próprio amor.

Não é um lema fofinho?

 

Ah, sobre o projeto do Vianco: está quase furando. Agharrin já foi publicado e vou ter que desenbolsar uma grana com a amiga se quiser prosseguir. Sabe aquele jogo que é de graça, mas você tem que pagar pra desbloquear as coisas mais legais?

 

Pois é.

 

67bbf2d1.jpg

 


Resoluções de ano novo atrasadas

por Laura SaintCroix, em 15.01.17

Here we go again.

 

A passos de caramujo, a começar que caramujo não tem pés.

Senhor Ênio manda um salve do aquário.

 

Atualizei o template de ano novo para o blog. Não pretendo mudá-lo tão cedo.

Queria mudar o nome também, mas não pensei em nada decente.

Não que Bienvenue seja muito decente ou criativo. ...

 

A imagem que está atrás é de uma pintura digital que eu fiz. É o Rin, claro, haha.

Fiz com o mouse mesmo, e com a ferramenta de dedo do Photoshop. Eu adoro aquela ferramenta e os brushes que eu uso.

Vou deixar ao final as imagens.

 

O meu ano anterior foi muito bom. Ao contrário do que  as pessoas geralmente dizem sobre seus fins de ano, eu não tenho o que reclamar, Graças a Deus.

A minha única e maior decepção foi um fucking sorvete de açaí que tinha o sabor do inferno.

Só a cremosidade era gostosa, mas o sabor. Eu não consegui engolir.

Graças a isso, eu dificilmente chegarei perto de algo de açaí de novo.

De coisas boas que aconteceram, eu fui ao bairro da Liberdade com a minha prima-irmã.

Escrevi mais livros, mais do meu livro, fiz amizades ou coleguismos simpáticos online, lancei meu primeiro livro de contos (vide postagem anterior), meus amigos estão bem, na medida do possível, minhas duas melhores amigas estão bem (uma está com a família muito bem e feliz, outra está escrevendo cada vez melhor, e com o pensamento cada vez mais forte, ao que sinto). Também revi a patota da escola, que há muito não via. Eles estão bem, uma delas está virando um tapete persa.

 

Falando em tapetes, convenci miraculosamente minha mãe a me deixar fazer uma tatuagem. Nós discutimos um pouco, depois discutimos mais (dessa vez na frente dos meus tios, que haviam feito tatuagem recentemente). Eu fiquei chateada, porque ela já havia aceitado a ideia e começou a discutir de novo. Eu fiquei "Hm?!?!"

Mas depois tudo se ajeitou.

Eu nunca gostei muito de tatuagem, mas me ocorreu fazer uma pequena. O kanji de "kizuna" ou o nome do Sono. Eu acho bonitas essas palavras.

O nome dele, me parece, também pode ser lido como "jardim". Isso é bonitinho.

Gostei muito da música do Versailles, Melodic Thorn ~Bi no Bouryoku. Poderia ser isso também.

Eu também amo rosas e cruzes, então faria isso também.

Também cogitei fazer uma união de várias coisas que gosto escritas em japonês e fazer de lado, que nem a cola que a Mulan usa no braço para ir à casamenteira, HAHAHA.

 

Então, até juntar dinheiro, dá tempo de pensar.

Posso fazer um Cloud também, em pixel art de Final Fantasy Record Keeper.

Vocês não sabem o quanto eu passei a amar o Cloud depois de jogar FFVII. Ele é muito humano.

Claro que se o fizesse, daria um jeito de pôr o Link em pixel art também, eles são os heróis da minha vida.

Também há a frase do Angeal pro Zack, e do Zack pro Cloud. "Embrace your dreams." Só que eu faria em japonês.

"Yume" alguma coisa, hahahaha.

Eu amo muitas coisas.

 

Esse ano quero ir ao cinema ver alguns filmes, principalmente o de Transformers. Passei a adorar Transformers depois de ver a todos.

Esse ano também quero vender mais quadros, porque desejo veementemente uma mesa digitalizadora para pôr em prática duas das minhas histórias. Pretendo um mangá, quem sabe eu não consiga? É o que eu quero.

E acho que trabalhar por comission talvez seja um canal, já que é mais "fácil" vender arte lá fora.

Sinto-me capaz com o traço que tenho agora.

 

Minhas Marias estão lindas e gordas, e meu betta está me olhando com cara de bravo (que, no caso, é a cara dele mesmo). Meu Cloud está me olhando bravo também. O Mario de gesso parece meio estático.

 

Se Deus quiser, tudo dará certo. Vai ser um ano bom.

Já está sendo, na verdade. Eu pintei cinco quadros em dois dias. E desejo fazer mais e mais.

 

Ah, a foto!

 

vampire_king_and_blue_roses_by_laura_rachel-daukg5

Acho a marca d'água do DeviantART-san bastante etérea, e não prejudica a imagem. Gosto dela.

Só a coloco no Rin. Sou possessiva.