Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bienvenue Blog

Desde 2011 tentando achar um nome decente! :D

Bienvenue Blog

Desde 2011 tentando achar um nome decente! :D


12.03.20

Bonjour! Para manter nosso bom padrão de postagens (nenhum padrão), eu vim divulgar o link da minha ranobu enquanto ouço saiyuu event de Kuroshitsuji (Saigo no Bansan), porque Tatsu fazendo a voz daquele mala do Vincount que eu tenho vontade de defenestrar, mas que é uma gracinha ao mesmo tempo.

 

Como eu falei no facebook, essa foi a última vez que eu reescrevi Agharrin, e que não sinto vontade de reeditar nada ali, porque acho que está bom mesmo com imperfeições que eu venha a perceber, ou que não venha porque acho que o sentimento de aquilo estar bom acoberta isso de uma maneira boa.

 

Eu estou com um pouco de sono e não sei bem o que eu escrevo, e estou ouvindo o evento e não sei escrever com pessoas falando, hahaha.

 

E por favor, o Sugiyama é muito fofo falando, ele é um bolinho.

 

Ah, o LINK ESTÁ AQUI.

Capa de "A criança que vagava entre vampiros".

AGHARRIN light novel 1.jpg

Sinopse:

"Minhrrat, uma jovem de um vilarejo, cresceu cercada por histórias de vampiros.

Feiticeiras podem ser boas ou más, as fadas podem guiar para caminhos ruins, mas vampiros sempre beberão o seu sangue, e esse pensamento desperta uma mórbida curiosidade. Uma criança sem amigos se apegaria a qualquer mão gelada.

Dentro da floresta para onde ela foge, há rosas azuis e um castelo.

Mas Minhrrat não sabe, ela não poderá voltar."

 

Espero que gostem, já agradeço muito a quem adquiriu, divulgou, isso é muito importante.

Agora vou tomar alguma coisinha.

Oyasumi. ~

 

Fotinho do Sakurai porque sim. (Ele não tá no evento but whatever)

sakupyon-3-e1490111681978.jpg

 


05.01.20

BONJOUR primeiro Bonjour do ano, aeeeee

Esse ano eu vou me dedicar ao Agharrin e suas light novels. Uhul

Aqui no Brasil devem chamar de zine ?? mas light novel parece mais chique. u.u <3

Agradeçam a Vampire Hunter D pela ideia.

Como cês foram de ano? Aqui fomos muito bem!

 

Eu estou jogando FFVIII desde Setembro? Sei lá. E foi minha passagem de ano.

Eu já joguei FFIX e simplesmente amei demais, meu Deus. Kuja acho que passou uma rasteira no Sephiroth e passou a ser um dos meus vilões preferidos, e daquele jogo, provavelmente meu personagem preferido. lol

Então agora estou no FFVIII e eu juro que estou seguindo pelo Squall em si, porque, eu não sei dizer, mas tem algo que falta nesse jogo. ?? Não sei dizer mesmo. Agora eu to do meio pro final quase e tá ficando legal mesmo, eu gostei das reviravoltas do plot com relação à Ultimecia, ao Laguna, nossa, essas partes são 10.

Já a Rinoa... Eu agora que estou curtindo ela, mas de início e no meio do jogo, eu vi ela ali como só e somente a antítese da personalidade do Squall. Ela me irritou no sentido de ficar tentando mudar ele ??? Não que as pessoas não precisem mudar, mas ver ele ficar se questionando acerca da maneira de enxergar as coisas quase com uma espécie de culpa me deixou agoniada e com raiva dela. Eu não sei se foi o jeito como eles colocaram as palavras, e talvez tenha sido impressão minha e de uma segunda vez eu entenda diferente. Mas realmente, ela a priori me soou como um plot device ambulante (e um pouco o tropo da mulher na geladeira). Squall se apegar a ela no meio pro fim do jogo foi incrivelmente repentino, porque eles pularam a parte de ele começar a curtir ela e foram logo para o MEU DEUS EU NÃO POSSO VIVER SEM ELA VOU PRO ESPAÇO e acabou sendo pouco convincente. (Mas foi fofo e eu fiquei Nyaaaaaah, então eu perdoo só por isso, fechei os olhos da minha suspensão da descrença). Então acabou que se fosse outro jogo com outro protagonista naquele início/meio de jogo, eu teria abandonado. (E se fosse em emulador e eu não tivesse pagado por isso, porque se eu paguei EU VOU JOGAR. TO FALANDO DE VOCÊ, LIMBO, QUERO MEUS QUATRO REAIS DE VOLTAaaa.)

Agora está indo legal, eu até consegui ficar preocupada com a Rinoa, ver ela com medo causa empatia. Tomara que ela saia um pouco da geladeira lol, é mais culpa de quem escreveu do que da personagem, mas whatever. (Ai meu Deus eu tô contaminada)

No Dissidia pra mim ela ainda é a Doida Que Joga o Cachorro™. (Eu também chamo de Namoradinha do Squall™ lol).

Zell é amorzinho e quero pôr ele no bolso.

Eu quero chutar a bunda do Seifer.

Eu não vou dar tantos spoilers porque até aqui as surpresas desse jogo têm sido legais. E puta que o pariu a vilã daqui me arrepia os cabelo do c*. Eu detesto ela tanto quanto o Ardyn. Disgusting. Eu não quero nem saber do passado triste de vocês.

Mas o que eu mais adorei de verdade nesse jogo é o Squall em si (caso não tenha dado pra notar). Não sei se o fato de ele mais pensar que falar ajudou nisso, porque eu achei isso tão engraçado e tão accurate que eu gargalhei. Fora a sinceridade dele. Os caras souberam fazer um cara legal pra gente jogar. Gunblades são o máximo e eu queria ter inventado isso.

 

Assim como com o IX, eu acho incrível jogar esses jrpg porque pra mim, pessoalmente, é como se eu estivesse lendo um livro ilustrado. Eu adoro ver as inúmeras frases, os diálogos longos, o Kuja falando do quanto o Alexander é explendoroso, hahaha. Então eu adoro essa parte de FF. Meu sonho de princesa é colocarem o IV pra eu jogar ali também, ou eu vou ser obrigada a comprar na AppStore.

 

Parei um pouquinho com o ouji porque quero terminar o VIII e começar o X. :D

Mas ainda jogo quase todo dia pelo menos uma missão. E não é segredo pra ninguém que eu fujo de Altissia porque: Luna.

Eu acho tão injusto nessa bigorna eles quase não terem tempo de estar juntos e quando acontece é só B.O. Acho que ter raiva do plot faz parte de gostar do jogo, sei lá, haha.

A minha última missão estava sendo tirar fotos. Dia desses estava jogando à noite, como sempre, eu dormi um pouco enquanto salvava o jogo e acreditem na dor, eu salvei em cima do meu primeiro save do jogo, o que tava bem afastado dos outros pra eu não salvar em cima.

Sorte foi que eu tinha outros dois capítulos à parte. Eu não sei se já contei isso aqui, mas é, a idade está chegando.

 

De todo modo, eu ainda estou jogando e vou continuar simultaneamente, até minha cabeça dar tilt.

 

Falando sobre meus planos, ontem eu publiquei meu mangazinho™ chamado Sasuke no Yukue (pode ser traduzido como O Paradeiro de Sasuke), é só um capítulo curto, ou mesmo introdução. E eu fiquei muito surpresa de tanta gente ter gostado e comentado. Eu nem pretendia fazer mais, mas algumas pessoas pediram continuação e eu fiquei estarrecida demais. Na verdade me despertou a vontade de continuar mesmo (aproveitando que eu não tenho um plot para a história autoral ainda).

Podem ler aqui: AQUI

 

Eu também vou participar de uma Collab incrível com alguns amigos ilustradores sobre jogos que nos marcaram e EU VOU DESENHAR UM NOCT, ah se vou! >:D

Saí gritando FFXV pra ninguém pegar antes de mim.

 

Estou pensando em abrir lojinha nesses sites de adesivo/print/whatever (aaa) pra fazer uma renda ~passiva~ e espero que dê certo. ^^

 

Nossa, quero fazer muita coisa.

Minha escrita tem estado mais frequente de novo! Para além do nosso livro (o que faço com a Yasu, TBFTP.)

Tomara que esse amálgama floresça em algo bem bonito pro mundo, pelo menos para entreter. ^^

Pras pessoinhas que têm me apoiado com comentários lindos, meu agradecimento sincero e fraterno.

 

Cara da postagem é uma arte que fiz do Squall ano passado. (ba dum tss)

Está propositalmente simples e bem contrastada porque o intento nem era pôr cores. A dimensão corporal é da cena dos créditos iniciais, se eu tivesse feito só no meu traço ele estaria mais logilíneo. :B

Eu quero muito uma jaqueta de pelinhos.


09.11.19

Ou não, na verdade. :D

Bonjour!!!

Estou acá, reparando que esse ano apesar de ter feito artes sobre o KAMIJO, acabei não fazendo o post de aniversário que sempra faço, mas não fico triste por isso. Se eu não fiz, não foi por não lembrar, mas porque eu estava ocupada com coisas que eu amo fazer. E eu não sei precisar a data, mas talvez tenha sido com arte dele, haha.

 

Recentemente comprei um artbook - livro biográfico - coisinha de colecionador ??? do YOSHITAKA AMANO!!!! Eu não tinha nada dele em casa, e de repente comprei uma coisa bem fora do meu orçamento, mas dane-se porque eu ainda tô mega feliz com isso, e não por tê-lo, mas pelo conhecimento dessas coisas que eu sei que esses livros poderiam me proporcionar.

Eu ainda estou embasbacada (um sentimento que une feliz, empolgada, contemplativa e esperançosa) que os processos criativos, experiências e modo de visualizar o mundo que ele tem são tão mágicos, simples! e de algum modo, parece que todo artista consegue se identificar com isso. Estou até agora querendo visitar a loja preferida em Paris, e parece que lá tem bastante material de arte, e ele compra esse tipo de coisa pra dar de presente a assistentes e eu fiquei "woooo!! é o tipo de presente que eu iria querer", hahahaha. Porque não tem nada mais divertido que uma loja de coisinha aleatória pra artes.

Há taaaaaanta coisa pra dizer, e agora eu estou com um pouquinho de pressa, mas porque acabei de ler agora há pouco o livro biográfico, então precisava dizer que aquela pessoa é incrível, e eu fiquei totalmente absorta na leitura e nas pinturas. 300 e poucas páginas passaram e eu nem vi. Certamente um livro com palavras e vontade de pintar que eu vou levar pra vida!

Uma hora trago fotos e mais detalhes, mas só tenho a agradecer toda uma cadeia de coisas e fatos que interligaram tudo para que eu pudesse ter a dádiva de ter um artefato desses em mãos.

 

Ainda quero voltar amanhã para escrever minha resenha de FFXV, que eu não esqueci nenhum dia sequer durantes esses meses, hahaha. Agora estou jogando de novo, e vou tentar trazer alguma coisa todo fim de semana.

Também estou jogando FFVIII, eu adorei o Squall e por ora, a Rinoa está um porre. Espero gostar mais dela depois, por enquanto está sem tempero.

 

Fiz artes novas, então vou deixar uma aleatória (porém nem tanto) aqui.

Essa arte foi uma encomenda de um amigo, feita em aquarela em tamanho A3.

Depois que eu peguei mania de falar os materiais por causa de um grupo no DeviantART, virou automático a listinha junto da arte, hahahaha.

KAMIJO_rosas azuis.jpg

BJJJJSSS **sapinho intensifies**


28.05.19

Bonjour!!

Há quanto tempo, faz um ano! hahaha Mentira, alguns meses, mas fechou  o ano anterior e nesse esse é o primeiro post.

Me perdoem por tanto tampo ausente.

Foi uma mistura de não estar muito boa (e não admitir isso) com uma mistura de EU JOGUEI TANTO VIDEOGAME QUE EU NÃO RESPIREI.

Dia 6 de Junho vai completar 3 meses que eu estou jogando Final Fantasy XV. É meu primeiro FF em console propriamente e eu fiquei tão "aaaaaaaaaaaaaairueiuhnbfdaaaaa" que eu não escrevi quase nada sobre o jogo enquanto eu jogava!

Esse não vai ser o post de resenha, mas esperem por ele, porque ele virá como todos os outros que fiz.

Ontem foi meu aniversário "weeeee", e só serviu para ter mais dores pelo frio, eu estou ficando velha.

Minha mãe fez uma operação de retirada da visícula e quase ninguém sabe disso (no presente, não sei quantos vão ler isso aqui?), e tenho sido grata a uma amiga por estar conversando comigo quase todo dia nesse período curto, porque ela nem sabe disso, (eu não quis dizer porque, ah, para quê, mamãe está boazinha ) hahaha, mas acho que foi a única pessoa de fora que conversou comigo durante esses dias. (Quando eu digo conversar é mais que um comentário esporádico no Facebook).

Amizade é uma coisa engraçada, porque nos sentimos amigos das pessoas, mas essas mesmas pessoas, com certa frequência, não estão tão presentes como poderiam estar. Eu não me excluo disso, então fico numa corda bamba do quanto sou participativa e do quanto deveria cobrar participação das pessoas. Do quanto isso seria legal e eu estaria feliz sendo a criaturinha social que meu signo exige e do quanto isso iria me atrapalhar quando eu quisesse silêncio. E sabem, não iria atrapalhar, porque eu sou multifunções.

Sinto um pouco de saudades de pessoas que conversavam todos os dias comigo e do nada tomaram chá de sumiço. Eu não quero ser a que sempre puxa assunto para ser respondida com duas ou três palavras curtas. Fico preocupada como será que estão e ninguém diz nada, e sabem quando você é sempre a que pergunta? E quando não se sente confortável em perguntar mais?. Será que  meus amigos estão sempre tão cansados que não querem responder ou conversar bobeiras? Porque eu sei que dá pra trocar duas ou três palavras uma horinha ou outra.

Mas eu sei, e não estou, julgando nada, porque as pessoas têm seus afazeres, assim como eu tenho os meus, e ninguém é obrigado. E no fundo, sei que estão lá e que gostam de mim como eu gosto deles. Parece haver duas fases de amizades, as fugazes e as de apoio silencioso.

Se não sentem que estão bem, então está tudo bem também, embora eu prefira e deseje que todos se sintam felizes. Amizade é se sentir confortável com o silêncio também, eu acho, e não soa nada natural cobrar alguma coisa de ninguém, é um caminho bem oposto ao ter amizade (quando eu disse cobrar antes, era mentalmente, eu sou incapaz de ir dar um esporro em alguém, eu tenho que estar muito pistola para isso, HAHAHA).

Maa, é só o hábito de usar isso como diário.

 

TAMBÉM meu mangá está CADA VEZ MAIS PRÓXIMO

EU SÓ PRECISO

DE UMA HISTÓRIA

[screams intensifies]

 

Eu estou quase achando que meu caminho talvez seja produzindo algo do tipo independente do que fazendo tanto commission, porque esse ano está bem lento o processo, viu.

 

Bom, tenho uma fanart do KAMIJO a produzir para um projeto italiano de uma amiga. Tenho um mangá a criar, Agharrin a revisar e a escrever, outra Oneshot de Agharrin e Secrata, estilos de aquarela inspirados em artistas antigos (do post anterior, eu ainda não fiz, mas vou), resenha de tintas para o outro blog artístico e de portfólio, resenha do jogo. Estou empolgada!

 

Foto do amor da minha vida:

<<must protecc>>>

60743098_2361437080574276_1846512977214177280_n.jp

 


04.11.18

Estudar com movimentos de artes antigos / clássicos.

Bonjour!

 

Eu nunca fiz isso antes, a não ser na escola, acho, quando estudando algum, mas não é certeza.

Hoje em dia, com a internet bem mais acessível aqui em casa, eu consigo conhecer as artes de artistas antigos bem melhor e numa pesquisa simples. Isso é uma parte ótima dessa tecnologia toda, então esses dias...

Há uns cinco dias, eu tinha me sentido estagnada, artisticamente falando. Ninguém me disse isso, pelo contrário. Sou eu quem achei isso, não sei porquê.

A bem da verdade, a gente acostuma um pouquinho a ganhar confete das pessoas e sente falta disso depois, e consequentemente, uma pessoa com um pouquinho de ansiedade já se culpa por isso (eu, no caso). Eu concluí isso sozinha, e vocês podem dar risada, eu só sinto algo do tipo. Mas não quero ir a médicos, eu não vou nem quando estou doente de fato, menos ainda iria só por achismo próprio.

De toda forma, eu tinha sentido que minhas artes recebiam um pouco menos de atenção, algo do tipo, em grupos em que eu publicava. Como se as coisas estivessem monótonas, desinteressantes. Eu me senti mais culpada do que a realidade de que poderia ser uma série de fatores externos, inclusive horário e mood das pessoas.

Oh, nossa, você veio ler um artista choramingando. Hahahaha, desculpa.

Mas é como me senti. Coisas tão bobas recebiam atenção, como alguém procurando confusão política sem ter o tino crítico e social voltado a isso de fato, porque há quem tenha artes bastante políticas por cerne, mas alguns outros...

Uma enxurrada de comentários de retaliação e a festa sempre está feita.

Claro que passado uns dias eu notei que não é comigo, e que eu estou sendo boba, e que não devo esmorecer por nada. Nada.

Essa é a lei de sempre continuar, é por isso que não me aceito bloqueada por nada, "artisticamente" falando.

Talvez eu seja um pouquinho rude comigo para criar quando quero, hahaha. Não façam isso em casa, crianças.

Eu também sei quando devo parar, e estou na época disso, de parar e descansar a cabeça, pelo menos no sentido de pinturas. Vou começar a jogar Zelda, ver se maratono os jogos que tenho no Wii.

 

Falando das coisas que fiz, acabei duas encomendas e as ilustrações para o livro infantil dos meus amigos. Deus, eu estive tão abobada com as coisas que tinha que fazer que nem publiquei aqui a capa e a pré-venda.

Amanhã, se eu lembrar, farei isso.

Só consigo dizer o quanto estou orgulhosa e feliz desse projeto. Mal vejo a hora de ter em mãos o livro impresso e colorido.

As eleições no meu país me deixaram mal também, embora eu saiba que tenham pessoas em pior estado. Nada nesse mundo é à toa, disso eu tenho certeza. Esse fluxo não é uma opção.

 

Enquanto escrevo, é como se houvesse alguém isolado na minha mente, um eu verdadeiro que não se mostra e que sabe todas as palavras que deve usar, num pensamento calmo e ininterrupto até alguém bater à porta ou entrar conversando na sala.

De modo que esse blog quase acaba sendo uma crônica curtinha, só não inventada.

 

Onde eu estava...

Movimentos de arte?

É isso, e férias, e Zelda, e movimentos de arte para o próximo ano, estou animada porque comprei tintas novas, e sairão coisas lindas disso, EU ESTOU TÃO APAIXONADA POR VERDE. Eu só preciso descansar um pouquinho e jogar video-game.

O verde tem me chamado atenção, oliva, folha, sapo.

O set que comprei vem um verde lindo e cheiroso.

 

Quero estudar um pouco de Alphonse Mucha, depois alguns pintores e óleo, e ilustradores diversos de movimentos de arte. Deus, me permita fazer ao menos metade de tudo o que está aqui dentro, hahaha.

 

Também planejo escrever ano que vem, mas deixo isso para as resoluções de ano novo.

As desse ano eu estou feliz em cumprir, comecei a trabalhar com o que eu amo, evoluí nisso.

 

Evolução me lembra o assunto de estar estagnada.

Sabem, têm outros posts falando do Amano, como eu conheci as ilustrações e etc, então posso dizer com contexto que acho que me estagnei um pouco nele. Como eu digo isso sem soar mal? Quero mais inspirações, tenho medo de amar demais as ilustrações de uma só pessoa e acabar me podando para onde possam crescer mais galhos com flores que eu nem imagino. Porque por mais que eu ame, acho que tenho que ter meus próprios ramos.

Isso não é culpa de ninguém e é um sentimento tão íntimo que eu não deveria nem estar pondo em palavras, porque pode ser só para os meus olhos, os outros podem não dar uma fod* para isso, porque não percebem, porque não concordam, porque não acham o mesmo.

E eu mesma, no momento seguinte, acho que escrevi/pensei bobagens e que deveria apagar, mas não vou. Pensamentos não são um texto em revisão. Acho algumas artes minhas inspiradas demais, mas ao mesmo tempo não, porque sei que não é o mesmo, sei que não fiz por fazer assim, por isso talvez esteja só na minha cabeça, hahahaaaaahhhhh, me embananei. xD

 

De uma coisa é certa, eu sou eternamente grata com o trajeto até aqui, ao Amano, pelas inspirações admitidas ou não, até subconsciente sob o qual não tenho todo o controle (ou nenhum).

 

Por isso acho que vou fazer mais rotas nesse mapa, mais arte, expansão, para que outros artistas invadam meu subconsciente. Talvez seja um trajeto para retornar ao início com mais e mais bagagens espirituais. Gosto desse pensamento.

 

Sem medo. Eu nunca tive medo de fazer arte nenhuma nessa vida.

 

dontforget.jpg


20.09.18

Bonjour!!

Há quanto tempo **sorriso amarelo** de novo...

Mas ainda não desisti do blog, não tenho outro lugar pra esvaziar a cabeça que não aqui, quando não posso redigir um conto.

 

Graças a Deus há muito acontecendo e eu estou muito feliz, mesmo, só que hoje amanheci meio ruim porque não dormi bem. Estou meio que 60% só.

 

Eu tenho pintado aquarelas a todo vapor e tenho ficado muito feliz com elas, não sei nem se essa é a palavra.

Tenho que fazer uma surpresa a uma sobrinha/prima, e quero que fique fofo para ela, algo em biscuit.

Tenho que elaborar uma ilustração legal de uma cena que passe emoção e algumas lágrimas discretas, e sabe, EU NÃO TENHO IDEIA DO QUE FAZER, ainda.

Quero comprar um console e um jogo.

Quero (re)aprender a tricotar, coisa que eu fazia quando pequena.

Quero aprender a fazer crochê e bordado. Eu amo costura.

 

Eu amei o filme de Bleach que a Warner Japan fez. Uma amiga linda me emprestou a conta dela e eu pude assistir, haha.

Preciso continuar fazendo alguns contos, tenho um teatro para fazer também, e preciso fazer um coração 10/10 pra isso (vai ficar incrível!).

 

Esse post é caótico e quase uma lista de afazeres que eu sentei para perder um pouco de tempo organizando minha mente.

Eu sou um pouquinho ansiosa. ^^"""

 

Estou esperando uma resposta também, para iniciar outra aquarela. Esse final de ano vai ser todo, todo. Me faz lembrar que o que eu desejei no ano passado acabou se realizando. Eu queria trabalhar com encomendas e aquarelas, e olhem só. Não é como se eu estivesse vivendo sozinha disso, mas ver as pessoas felizes com os resultados que eu entrego é renovador, acho que era disso que eu estava atrás, não sei dizer.

Se eu vim para a Terra para pintar, acho que é para fazer isso pelas pessoas de algum modo também.

Isso pode soar um pouco egoísta, mas meu cérebro hoje só está filosofando até aqui.

 

Ganhei um colar da Akatsuki da minha sobrinha, eu amei!

Ganhei perfumes de mamãe também, Natura Una Senses, que eu amei demais. Amadeirado, adocicado, único como o nome. Eu gosto de perfumes assim.

 

Recentemente estou apaixonada nas músicas de Bleach, cantadas pelos personagens, principalmente do Byakuya, hahaha. Eu não mudei nada desde o último post sobre ele, em 2012. (procurem pela tag) Os dubladores são realmente incríveis cantando também.

 

Bom, estou esperando o lançamento do projeto novo do vocalista do Matenrou Opera, Sono. Eu não lembro o nome da música, é algo com chuva e arco-íris e Tóquio. Eu acho.

 

Tenho ganhado muitas coisas boas no meu joguinho mobile, Final Fantasy Record Keeper. Cloud husbando está upado.

 

Ahhhhh, estou eufórica/feliz/atrapalhada e ao mesmo tempo precisando dormir e sem saber realmente o que fazer, por estar esperando respostas. É um meio termo entre iniciar algo e ter que parar quando a resposta chegar, e não conseguir descansar porque tenho muito a fazer.

 

Então vim escrever no blog pra dizer que estou bem.

 

IMPRIMI CARTÕES também, ficaram tão lindos!!!!!!

O excesso de ! foi o quanto que eu adorei.

 

Tenho um site lindo agora também. Aqui.

Ter um portfólio organizado dá um gosto.

E tenho uma página também!

A Q U I.

 

Acho que divulguei, falei, desabafei, informei. Agradeço aos meus amigos que me apoiam no âmbito artístico também, eu não poderia prosseguir muito longe sem essa "união faz a força".

Sabiam que o KAMIJO reconheceu aquelas ilustrações que nós fizemos? Um grupo de ilustradores (eu junto, haha) fizemos ilustrações das histórias dele, e ele postou isso e agradeceu o artbook. Ficamos sem nos aguentar de felicidade. Eu nem sei se já disse isso aqui. lol

Depois foi entregue outro artbook, mas a minha amiga que o fez não nos deu muita notícias sobre, ou eu perdi em algum canto a informação. De toda forma, eu espero que ele tenha reconhecido o que eu fiz, haha. Nesse eu realmente fiz muitas mais que no outro artbook. Foi um treinamento e um contentamento.

 

Ainda tenho que fazer resenha de um livro que ganhei do meu amigo, sorte eu ter anotado as impressões.

 

Ano que vem vou me focar em aprender Japonês. Talvez daqui a dois anos eu vá para o Japão. Será que consigo aprender até lá? :P

 

Post que vem, talvez eu faça uma playlist de Agharrin só com músicas japonesas.

 

Cara da postagem:

submerso.jpg

Uma das últimas aquarelas, com decoupage. Quase coloquei lã também, haha. Minha mãe voltou a tricotar e tem tanta cor aqui em casa! hahaha

Amo minha véia.

 

Devo ter esquecido de algo, mas não tem importância ter esquecido de pôr. Aqui fora eu tenho muitas listas do que fazer.

 

Quero comprar aquarelas internacionais, mas mais para frente.

 

Keep on burning soul!


27.04.18

Bonjour!!

Hoje amanheci com vontade de voltar a dormir. Não é cançaso, também não parece preguiça, é falta de vontade. Estou sem ignição.

Mas já, já isso muda.

 

Ontem olhei fotos antigas e algumas servem até como stock photo para quem quiser usar, vou tentar fazer upload em algum site do tipo.

 

Também farei um rascunho de um trabalho para um rapaz.

 

É isso. Qualquer hora monto a playlist que eu disse a mim mesma que faria.

 

1232579734656_f.jpg

Lillie Charlotte.


06.02.18

Bonjour!!

Aconteceram tantas coisas legais!

 

Fui à praia pela primeira vez depois de... vinte anos?! Ou quase isso. Foi a melhor sensação. O mar estava agitado, o tempo estava nublado, quase chovendo, ventando forte, as ondas estavam altas. A água salgada ardeu bem menos do que eu pensei que fosse arder, porque na verdade eu nem senti. Minha mãe me avisou que meu cabelo ia ficar uma droga, mas eu senti ele normal... Mar é muito gostoso. Minha próxima meta é conseguir estar num navio.

Aquela coisa é viva demais, é como nadar nas correntes sanguíneas de um ser gigantesco que pode te arrebatar. Mas na verdade parece que um pouco de nosso espírito fica nele, então somos arrebatados de toda forma.

O cheiro eu também pensei que fosse ser bem mais forte, mas isso talvez se deva ao tempo e ao vento mais forte. Todavia, nem mesmo cheiro de peixe me incomoda. Então eu acho que não me sentiria incomodada.

 

Só tenho a agradecer meus tios. Ela ficou tão preocupada de não estar sol, mas sabe que esse tempo nublado é meu preferido.

Mas admito que senti medo do céu, eu entro em choque e fico trêmula se o céu pretejar e começar a relampejar e eu estiver ao ar livre (pior ainda, no mar!).

 

Não engoli tanta água quanto pensei que fosse, mas as ondas me levaram e eu só consegui ouvir as gargalhadas da minha prima.

 

Isso já tem uns dias.

 

Agora, no presente, estou um pouco triste com a notícia de que o baterista do Matenrou Opera vai sair por não conseguir mais tocar direito. Está doente e espero que consiga se tratar. A banda agora fica sem guitarrista e sem baterista. Espero que chamem o JaY definitivamente, mas não faço ideia de quem possa tomar a bateria.

 

Vou fazer um desenho para um projeto depois, para ele.

Estou com vários para fazer, graças a Deus. Um para o KAMIJO (e acho que quase entrando num segundo para ele), um para o Yu, uma ilustração de artbook para uma amiga que eu AMEI poder participar e espero que dê tudo certo para imprimir, tenho meu livreto infantil para ilustrar, tenho Agharrin para ilustrar...

Tenho certeza que essas coisas vão me render algo no futuro, tenho fé nisso, é o que eu amo fazer e vou prosseguir enquanto for possível. Tenho pais maravilhosos que não se importam em me dar essas coisas para prosseguir enquanto eu não consigo andar com as minhas pernas.

 

Pintei aquele biscuit do Sono, ficou tão lindo que eu nem acredito que eu quem pintei.

 

collage.jpg

Quando eu colocar as roupas, vai ficar tão lindinho. Posto fotos.

 

Baixei alguns videos do KAMIJO, vou ilustrar a história dele, fazendo parte de um fanbook, eu estou tão feliz com isso e desejando muito que tudo dê certo e que nós consigamos ilustrar bem lindão. São nove ilustradores.

 

Muito a fazer, pelo menos para mim, mas agora o que eu pretendo urgentemente é: fazer a arte pro Yu e PASSAR UM PANO NO CHÃO PORQUE TÁ ARENOSO E EU VOU ACABAR CAINDO.


18.01.18

Eu estou muito no pique de escrever no blog, que milagre, hahaha. Bonjour!

O post passado foi uma série de percepções pessoais acerca de aprender a pintar.

 

Nada definitivo, se existe algo nesse mundo, isso é que nada é definitivo mesmo, hahaha. O desafio às percepções constante é ótimo.

 

Vim aqui falar de mim e fazer um aparte sobre Yoshitaka Amano e o que aprendi com ele e Gustav Klimt.

A primeira vez que ouvi (li) o nome do Amano foi pelo KAMIIJO. (NOVIDADE! ÁGUA MOLHADA!)

Ele disse que gostava e queria ter ido a uma exibição que teve no Japão, mas que não pôde ir.

Eu, xereta, fui ver quem era, claro. Falei um ligeiro "Uau!" pras obras dele e pronto.

Daí comecei a de fato jogar Final Fantasy por motivos de: joguinho de celular, e me deparei de novo com as ilustras dele, claro. Mas não fui atrás.

 

Ilustra vai, ilustra vem, abracei meu lado "desenha mangá, filha da puta, é o que você quer" e comecei a treinar desenhar a caneta, direto.

Fiz uma arte do Vincent Valentine e uma amiga disse que parecia inspirado nas obras do Amano. Eu fiquei "hmmmm, esse é o..." e fui buscar de novo, porque sou péssima de memória. Ah, sim, o cara que o KAMIJO gosta das ilustrações. Guardei o nome.

 

Eu sempre tive vontade de pintar em aquarela, um dia desses minha mãe viu meus olhinhos brilhando enquanto eu via alguns videos e quando fomos na loja comprar não lembro o quê, eu perguntei de aquarela, só pra saber dos preços, e a velha comprou pra mimi, hahaha. Eu fiquei "omg minha mãe é a melhor", claro.

Daí comecei a pintar, toda felizinha. Procurei algumas pessoas que também pintassem aquarela, e até mesmo o Amano, olhei algumas coisas. Mas nunca fiquei com isso fixado na cabeça, nem dele, nem de qualquer outro artista. Talvez um pouco do amarelo do Klimt, vai.

Pintei umas coisas e o segundo que fiz eu mostrei em um grupo de arte no Facebook. Não me lembro bem, mas umas quatro ou cinco pessoas disseram "nossa, lembra as artes do Yoshitaka Amano".

Eu fiquei "EEEEH?" bem de anime mesmo. Imaginem o Luffy aqui falando "Heeee, hontoka?"

Não tinha levado as coisas ditas antes muito a sério, daí com essas pessoas eu fiquei pensativa. Será que parecia mesmo? hahaha

 

Então comecei a estudar o jeito dele de fazer as coisas, e por increça que parível, ele foi quem mais me ajudou numa coisa inédita, não foi nem na aquarela, nem nas cores, foi a anatomia e composição de cenário. Eu tinha um traço muito preso, muito temeroso de errar e sair das normas. E olhando as artes do Amano, eu fiquei "eu posso treinar com isso", e eu nunca amei tanto meus desenhos quanto agora, desenhando livremente, sem me preocupar em acertar. E sabe o que é mais legal? A anatomia não está errada (não algo que se diga "nossa, que errado"). Não deixei de treinar, adoro os rascunhos do Da Vinci com cavalos para treinar também.

 

E com o Klimt, li um artigos sobre ele, que ele rascunhava em grafite o que ia pintar antes de transpôr à tela. Eu vi que eu estava errando muito as cores no que eu desejava, justamente por não visualizar bem o que eu queria. E rascunhar é exatamente isso.

 

E não posso deixar de mencionar o canal do Crás Conversa, do Thiago, onde eu aprendi que passar a lineart em caneta, ou mesmo quando você transpõe um rascunho para uma folha, seu trabalho não acabou, sabe? Eu entendi isso tão profundamente que era o que eu estava precisando. Entender o porquê de o rascunho muitas vezes sair tão legal e você transpôr ele e a coisa perder a magia. É porque você faz a transposição de maneira muito robótica, procurando acertar e perdendo a naturalidade.

Foi balsâmico entender isso, que você precisa soltar a mão também na hora de passar a limpo.

Um amigo pediu nos comentários o link para o vídeo do Crás, e ei-lo aqui: [AQUI]

Foi a maneira que eu entendi o video, aliás, então acho que ele é aberto a interpretações diversas.

 

Bom, o conjunto dessas inspirações e resoluções me fizeram abraçar meu cerne (beijos, Guardiões) e gostar do que eu faço e até querer trabalhar com isso.

 

Hoje em dia eu tenho pastinha de inspiração com algumas obras do Amano, algumas do Klimt, algumas obras aleatórias. Uma amiga disse que se lembrou de Marc Chagall e eu também guardei coisas dele.

 

É aquilo de olhar para fora para enxergar melhor o que está dentro de nós.

Obrigada pro pessoal que diz que algo meu se parece com o do Amano. Eu ainda não acredito em vocês, mas amo vocês mesmo assim, hahaha.

E não é ofensa de maneira alguma. (Digo isso porque o pessoal acha que ser comparado a outro artista é uma ofensa à sua originalidade.) Eu não acho. Comparem sim, comparem um monte com outros artistas, eu adoro estar unida a essa galera. E no caso do Amano, isso é um lisonjeio sem tamanho pra mim, já que fiquei fã dele depois de tudo isso.

Comparar com pessoas reais e outros personagens já são outros quinhentos, embora eu não me importe particularmente, entendo os outros se importarem.

 

Nada disso deixa de ser culpa do KAMIJO, mas eu dou um desconto porque também é culpa de Final Fantasy.

 

E ainda hoje acho que aquela arte do Vincent que eu fiz, e que minha amiga achou semelhante ou que lembrava do Amano, era o meu jeito de fazer o cabelo do personagem, que eu tentei imitar e aprender com o jeito que faziam o cabelo do Kusuriuri-san no anime de Mononoke.

 

O tiro nunca saiu tão pela culatra.

457940.jpg

Se algum dia estiverem na dúvida sobre qual presente me dar, me deem um artbook dele. Eu não tenho nenhum.

Sabiam que eu um dia cismei que o nome do Klimt era Ernest? Volta e meia eu falo errado na minha voz mental.

 

Beijos e espero que meu falatório sirva de algo algum dia além de esvaziar minha cabeça.


17.01.18

bonjour, não sei bem a que horas esse post vai sair enquanto escrevo, mas bonjour. who cares

 

Esse ano, depois do resultado que eu considerei ótimo da minha aquarela de fogo, eu tive um fracasso derrubador com a minha biblioteca errante do livro infantil. Errei na forma, nos contrastes, eu acho, mas mais na forma e disposição de cores. Quis fazer algo miúdo demais com muito foco quando não era o caso.

 

Mas a partir daquele momento, passei a considerar cada erro como um estudo. Nomeadamente como estudo.

Então eu encarei aquela coisa que havia nascido de mim (hahaha) e disse: "Você também merece carinho". Minha mãe e o desenho de One Piece me ensinaram que você deve amar suas criações, não importa o que elas sejam ou o que façam. (É a parte da história do Franky que ensina isso.) E sinceramente não há um ensinamento mais verdadeiro. Algumas pessoas sabem disso por instinto, mas algumas pessoas, como eu, precisam se dar conta e aprender isso. A não se odiar e considerar tudo apenas um passo no aprendizado, e que aquelas coisinhas tortas podem se transformar em algo bonito, que aquelas linhas tortas também são seu puro "eu".

 

tla04-1.jpg

Para iniciarmos os nossos estudos *estrala os dedos* ao som de Nosferatu, essa arte do Yoshitaka Amano. Nossos estudos do que eu aprendi, e eu quase considero que estou falando comigo mesma, hahahaha. Quem vai ler isso?

Parem e analisem os contrastes dessa imagem. Eu amo demais essa ilustração.

Tenho vergonha de copiar, de usar como referência, mas um dia eu perco isso. Eu nunca fui de usar referência, nem imagem, mas quando se é profissional *pigarreia* você precisa pegar uma de vez em quando (ou sempre). Mais sobre isso lá pro final.

 

Acho que está na hora de eu aceitar que nem toda arte ou estilo é tão inovador assim. Eu quero que a minha, particularmente, seja só bonita.

Ele tem um estilo muito, muito próprio. Olhar os contrastes pequeninos, nas folhagens, o quanto ornam com o resto, o foco de luz na menina, e lá atrás da menina o escuro das árvores, e atrás das árvores o claro outra vez. Essa imagem tem um foco de luz e isso atrai a visão. E olha que as cores são bem pálidas.

 

É isso o que eu aprendi a planejar antes de iniciar algo. Uma das coisas que eu errei (e ainda erro, why not? eu sei em teoria, mas a prática é outra coisa, uma coisa que pode fugir ao controle porque não somos robôs) é que eu colocava muitos elementos em cena depois de que passei a querer incrementar com cenário. Cenários são perigosíssimos. Eles podem comer o foco principal e você vai olhar o resultado e odiar, hahaha. (Mas não odeiem, lembrem da primeira lição.)

Mesmo quando a gente olha o horizonte, as montanhas e montes ao fundo vão sumindo, o céu gera equilíbrio na imagem geral, ele costuma ser mais claro, e se mescla à terra pelo pouco contraste das montanhas, e aqui embaixo em primeiro plano, o resto das coisas.

 

Eu aprendi a planejar as coisas antes de pôr as mãos na massa. Aprendi a fazer rascunhos antes, eles não são frescura. Faça mesmo vários rascunhos, amadureça a ideia se a sua intenção não é só testar e estudar as cores e composição.

 

Bora lá pras conclusões que tirei enquanto eu mesma estudava. Eu, infelizmente, nunca peguei num livro de estudo de cores, nada do tipo. Só observação de trabalhos, meus e alheios. E conversas com outros artistas. Acho tão lindo quando a pessoa é embasada ao dizer tudo o que sabe. Eu só tenho eu mesma e isso aqui pode estar tudo cheio de buracos e erros.

Como estou escrevendo até como uma lista para eu mesma lembrar de tudo isso (cabeça de vento), então vou usar meus "acertos" como exemplo, entre aspas porque até eu mesma posso achar algo de errado depois, ou olhos mais treinados que eu verem... Essa conversa toda, eu não quero soar arrogante.

 

Usar acúmulos de cores afastados (duas ou três cores) e degradê (mesmo em áreas grandes):

féretro vermelho - Copia.png

 Essa é minha última ilustração para mim mesma, onde usei o acúmulo de cor mencionado nas áreas de sangue. Mas vejam, há áreas brancas ao redor, mais claras, e o escuro do cabelo e vermelho moldam o equilíbrio.

Nas áreas pequeninas ao redor do cabelo tem tons claros porque eu fui escurecendo os fios aos poucos. Eu não taquei preto de repente. Eu o fiz louro antes. Experimentei pôr preto rápido demais e não me agradei. Não chega a ser errado, quase nada na arte é errado, mas só se torna um estilo de fato quando você sabe o que está fazendo, e não o faz sem querer ou sem ter a intenção. A menos que você tenha um instinto ótimo, hahaha. Respeito isso também e acho incrível.

Afora isso, estude.

 

Focar um elemento (para mais, só se tiver certeza):

21480139_114935275849270_7720058974162124800_n.jpg

 Olhem a baguncinha que é esse desenho aqui do lado. Esse é um exemplo do que não deu muito certo. Explico: eu imaginava um monte de frascos de perfume, mas eu quis dar atenção e cor a todos eles, e não foquei nada. A imagem no geral não tem um contraste tão bom também, só as pernas maravilhosas do vendedor de essências. Mas eu amo essa ilustração mesmo assim.

Seria melhor eu ter desenhado os frascos, sim, e ter posto cores mais voláteis em todos eles, cores manchadas e desbordando. Ou não ter posto cores, deixado só o contorno. Poderia ter colocado um contraste e uma luz principal nisso, afinal, de onde está vindo a luz nessa ilustração? A parede está clara, a mesa está escura, os frascos estão todos com as mesmas cores.

Outro problema foi eu não ter dado um "fundo", aprendi isso depois. Só deixar branco onde for absolutamente brilho (falando nisso, máscara para aquarela é "o canal" para isso, hahaha). Dar um fundo e limpar com um pano é ótimo pra mim. Molhado sobre molhado em aquarela só funciona se você: a) for um gênio, b) tiver tanta certeza do que você quer que a imagem na sua cabeça está praticamente plasmada, c) tiver uma referência e d) for um baita sortudo.

Eu não sou/tenho nenhuma dessas coisas, então sair pintando e pintando e pintando sem parar pra olhar e secar a pintura não funciona e vai fazer você ficar frustrado, olhando pro nada e murmurando "caguei em tudo". Hoje em dia eu apenas desenharia com calma alguns frascos, outros deixaria só um rabisco mais ou menos (os de fundo, distantes), e colocaria cor e foco só em alguns.

Essas coisas parecem frescura antes de você começar a dar com a cara no muro.

A dica aqui, além das cores, é: tenha muita certeza de com quantos elementos está lidando para colorir. Ou você vai fazer uma salada.

 

Centralizar e ter equilíbrio na composição:

Essa eu não tenho uma imagem de exemplo aqui nos meus, mas a de cima também conta um pouco. Se trata de não lotar a imagem de coisas até seu olho não saber para onde seguir. Centralizar é de fato centralizar a figura direitinho SE sua intenção for uma composição do tipo, e mais ainda, centralizar seu pensamento para um foco na sua imagem e não fazer que nem eu fiz ali em cima.

Existe a proporção áurea (aqui se você quiser ler sobre e for de exatas, haha). Pessoal fala que matemática está em tudo e isso é verdade.

Mas captando com os olhos (que) é o fato de a imagem estar harmônica e você não se incomodar com ela no final.

Não ajudei muito nessa, então procurei mais por isso para apresentar aqui e achei um video bacaninha. (AQUI)

 

Testar os tons e as cores:

26224662_2072913136277591_7173672776866201600_n.jp

Essa é bastante relativa (todas são, na verdade). Existe a teoria das cores, e é muito bom ler sobre isso, mas eu particularmente, quando vou pintar, preciso ter um conjuntinho de cores em mente. Explico: eu não me satisfaço facilmente se não uso as cores planejadas, ao mesmo tempo em que eu não monto uma paleta certinha. É, sou difícil, haha. Então um conselho é saber tanto as cores que vai usar, para poder incrementar, e saber os tons disso. Dos meus erros que falei antes, os que mais detestei é os que não tinham os tons corretos (menos ainda uma composição harmônica).

Olha essa quimera aqui do lado. Consegue entender o que raios é isso? Foi a ultima pintura do ano passado, nem faz tanto tempo. O laranja não é tão forte e não fica vivo, o preto o apaga e a fumaça branca foi o toque final para o desastre. Se fosse um acúmulo de cor grande e apenas um, esse seria o fogo, e se destacaria do resto. Seria o correto a ser feito.

Então eu sempre, sempre vou testar os tons com grafite antes, porque se você acertar o contraste, as cores que você usar não serão nem certas nem erradas, mas apenas questão de gosto.

 

Esmaecer à distância:

21689043_115455649146831_7764911592512159744_n.jpg

Essa aqui talvez não seja a ilustra mais excelente pra ilustrar isso (ba dum tss), mas veja as figuras atrás. Elas não têm detalhes. É mais fácil expressar distância se as coisas atrás estiverem sumindo.

As da frente também.

E daí você foca no que está no meio.

Também há o contraste nessa imagem, fundo branco e roupa preta (bem no simples mesmo, haha), e poucos detalhes, só nas vestes. Ele está para a esquerda da folha e isso indica bastante solidão (mentira, só acabei de ouvir isso, nunca tinha nem cogitado).

Detalhe: fiz essa imagem sem querer. Foi um dos casos de sorte e inspiração. Mais inspiração de fora mesmo, porque né, sorte sooooorte não existe.

 

Simplicidade rules.

A última dica, sem imagem de referência.

Se você tem dúvida sobre elementos, estude. Se não quiser ter dor de cabeça estudando, bem... por que está pintando? Sempre haverá estudo. Frequentemente. Nunca vai parar e aprenderá todos os dias algo novo, e quando for velhinho continuará aprendendo com as coisas mais simples ao observar e ter um baque. Meu professor de direção disse que quando você está enfiado e estudando alguma coisa, qualquer coisa que você será objeto de estudo de alguma forma. (Ele disse isso quando estávamos estudando placas de trânsito no manual, e bem, a gente olhava para as placas na rua e estudava "automaticamente", haha.)

Sabe seu estilo? Ele nunca estará pronto, você é artista e a vontade de mudar estará com você como uma pulga. Você vai se aprimorar e uma coisa raramente sairá como outra.

Tem gente que consegue? Pode até ser, mas não considere que você seja uma dessas pessoas porque elas provavelmente não se consideram assim, tão prontas, tão firmes.

O melhor para o seu entendimento é que você se considere um ser mutável e transitório, assim como seu estilo.

 

Eu estava agora mesmo, na reedição desse artigo, vendo uma entrevista curtinha com o Amano (já mencionado ali), e ele deu duas dicas para os novatos: tenha originalidade e se divirta.

Eu interpretei assim: a diversão faz parte do seu amor pelo que você faz. Artistas parecem seres incapazes de fazer o que não gosta, principalmente geminiano, hahahaha. Mas agora sério, é o que dizem de amar o que faz. Só não achem que por isso a gente não vai ter dor de cabeça, vamos sim.

E originalidade, acho que essa palavra engloba bem mais que o "estilo" ali em cima. Estilo, ao que eu entendo (não sei se entendem diferente) é o jeito do traçado, e resume-se a isso. Nossa, qual o meu estilo? Mangá? Cartoon? Cubismo? ArtNoveau? (que)

Achar um estilo é complicado e eu não acho que seja algo com o que você vai ter que se preocupar e trincar os dentes pensando nisso. É algo natural, vem com o tempo e sem que você busque. É uma mescla, provavelmente, das coisas que você ama, seja o estilo de outro artista, ou algum movimento artístico de época, e uma mescla do que vem do seu coraçãozinho.

Então a palavra Originalidade. Pra mim engloba um conjunto de ideias expressas, não só o estilo que veio até você e que é mutável. Você é um artista que quer expressar o quê? Amor? Ódio? Problemas íntimos? Uma vida? Isso é mutável também.

Achar a Originalidade ou o estilo me soa sempre algo que vem com o tempo enquanto você não busca nenhuma dessas coisas. É aquilo que você não quer fazer de propósito, na marra, mas que vai sair daquele jeito mesmo assim, depois de você ter feito toda a rota em busca de um estilo. É o que sai de você mais intrínseco conforme praticar (por isso é legal rascunhar à caneta). Quando eu estava tentando achar um, eu sofria horrores tentando ser realista, mas começou a ficar moroso e eu comecei a me sentir acoada.

Sério, até mesmo o meio pelo qual você faz a arte vai definir algo no seu estilo ou a maneira que as pessoas vão se lembrar da sua arte. Um resultado em tinta óleo é diferente dele em aquarela (o primeiro me parece mais fácil, ou eu que fiquei traumatizada hahahaha).

Então são coisas pelas quais eu já fiquei "bitolada" procurando, estilo, originalidade. Até que abracei o mangá como meu "estilo", o que eu sempre gostei de verdade. E dentro do mangá tem tantos estilos também, haha. Não é que você não possa procurar, eu só acho, euzinha, que é algo que vem com o tempo mais facilmente conforme você vai ilustrando o mundo à sua maneira (mesmo que um mundo imaginário). Não é algo que você tenha que ficar ali, recurvado sobre o papel, falando pra si mesmo que vai fazer sempre daquele determinado jeito e pronto, sendo que muitas vezes isso não vai ser divertido.

Gostei muito de ouvir aquelas palavrinhas e precisei vir aqui complementar antes que o artigo fosse publicado no blog. Cada pessoa sente diferente demais e nenhuma resolução é idêntica.

 

E outra coisa: por favor, não sejam como eu, não sejam muquiranas que não usam referência quando precisam. Usar referência não é vergonha, não é demérito. A menos que você faça realismo fotográfico, não vai ficar igual não, nem que você queira, na maioria das vezes. Há vários jeitos de usar referência de foto, de outros estilos, o negócio é ir fazendo que nem uma jamanta desgovernada /não.

Até quando você fizer ilustração para os outros o seu estilo vai (e tem) que transparecer.

 

So, a sua arte tem que agradar você.

Achar uma linha para o que estão te criticando à toa e as críticas construtivas que vão te moldar à marretadas é difícil. Não é todo dia que a gente quer ouvir que estamos errados e nosso trabalho está uma porcaria. Mas a gente vai ter que ouvir isso sim.

Ouvi gente dizer que Yoshitaka Amano estragou Final Fantasy com as ilustrações dele e quis voar no pescoço de alguém, pffff, você acha que você não vai ouvir nada?

 

Outro dia me disseram, num bom sentido, que eu era caótica, e eu me lembrei disso esses dias e pensei "meu Deus, isso é verdade", meu "estilo" é todinho isso. Tentando achar um equilíbrio sempre e falhando algumas vezes e saindo feliz noutras. Meus traços são tortinhos, falhados, sujos. Eu não uso régua para nada, nem linhas. Meus rabiscos são rabiscos, o grafite não some quando eu aquarelo por cima, pelo contrário, quero mais é que ele esteja ali. Lineart? Eu rio na cara das linearts porque eu não sei fazer um traço tão polido assim.

Isso é um hoje.

Acho que eu sofreria tanto com vetor.

 

Outra vez, nada é definitivo quando se está pintando, dado ser algo que se altera conforme os sentimentos. Você pode ter um resultado em uma pintura que contradiga noventa por cento do que eu disse aqui e ainda gostar dela, e me apresentar isso e eu gostar disso. E então você pode tentar fazer de novo um resultado semelhante e querer se defenestrar.

 

Mas respira fundo e continua pintando, estamos nessa por essa emoção.

*desliga o botão de autoajuda*

Sabe a ironia desse título? Você vai sofrer, pois é algo sem fórmulas. Estudar deixa as coisas mais fáceis em alguns sentidos e muito mais difíceis em outros, porque você vai passar a prestar atenção.

Só nunca abandonem a vozinha no coração que te indica por onde ir.

 

Qualquer erro grotesco aqui, me digam, e qualquer coisa que precisem de ajuda, me digam também.

Eu amo falar sobre essas coisas, de verdade mesmo.

Futuramente talvez eu adicione mais coisas, eu estarei sempre aprendendo e sempre compartilhando isso aqui. Essas coisas podem não ser nada novas para pintores experientes, e podem ser super inéditas para outros. Só é legal falar.

Mais sobre mim

foto do autor